Reforma tributária prevê substituição de cinco impostos pelo modelo de IVA

Proposta pode ser votada já nesta quinta-feira (6) na Câmara dos Deputados

Publicado por
07:13 - 06/07/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Reforma tributária prevê substituição de cinco impostos pelo modelo de IVA

Foto: EBC/divulgação

A reforma tributária foi colocada em discussão no plenário da Câmara dos Deputados nessa quarta-feira (5), e conforme o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), a expectativa é que a proposta seja votada já nesta quinta-feira (6).

O texto apresentado pelo relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), deve sofrer alterações. Mas, entre os pontos principais, estão:

— substituição de impostos federais e estaduais por uma cobrança única (IVA);
— criação de um imposto seletivo sobre bens e serviços prejudiciais à saúde e ao meio ambiente;
— “cashback” para as classes menos favorecidas;
— alíquota menor para saúde e educação;
— IPVA para jatinhos, iates e lanchas;
— a possibilidade de uma cesta básica nacional; entre outros.

O principal objetivo da reforma tributária é simplificar a cobrança dos impostos no país, medida considerada fundamental para destravar a economia e impulsionar o crescimento e a geração de empregos. Por outro lado, setores como os serviços e comércio temem uma carga tributária mais alta em suas atividades.

IVA

O que é: IVA é a sigla para o modelo de imposto sobre o valor agregado (ou adicionado). Na proposta de reforma tributária, cinco impostos que existem hoje seriam substituídos por dois IVAs — por isso, esse modelo é chamado de IVA dual.

Ainda não há definição sobre a alíquota. O secretário extraordinário da Reforma Tributária do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, já estimou que a alíquota do futuro IVA, necessária para manter a carga tributária, seria de 25%.

O texto preliminar da reforma tributária prevê a criação de uma alíquota padrão, uma alíquota reduzida e isenção para alguns produtos e serviços. Não há indicação, porém, do valor dessas alíquotas.

Se for confirmada uma alíquota de 25% para o futuro IVA, será uma das maiores do mundo.

Imposto seletivo

A proposta também prevê a criação de um imposto seletivo sobre bens e serviços prejudiciais à saúde e ao meio ambiente (como cigarros e bebidas alcoólicas). O imposto vai incidir sobre a produção, comercialização ou importação desses produtos.

“Cashback” 

O “cashback” é a devolução de impostos para um público determinado, como a população de baixa renda. Apesar do substitutivo propor esse mecanismo, o tema só será regulamentado depois, por meio de lei complementar.

Alíquotas reduzidas

A proposta do relator Aguinaldo Ribeiro propõe ainda uma tributação menor para alguns bens e serviços:

— serviços de transporte público coletivo urbano, semiurbano ou metropolitano;
— medicamentos;
— dispositivos médicos e serviços de saúde;
— serviços de educação;
— produtos agropecuários, pesqueiros, florestais e extrativistas vegetais in natura;
— insumos agropecuários, alimentos destinados ao consumo humano e produtos de higiene pessoal (segundo Ribeiro, aqui estão incluídos os produtos da cesta básica);
— atividades artísticas e culturais nacionais.

A ideia é que esses produtos e serviços paguem metade do valor da alíquota geral — que ainda será definida.

Embora traga uma alíquota menor para saúde e educação, a proposta não contempla todos os setores de serviços.

Estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgado nesta semana diz que, caso a alíquota IVA seja de 25%, haverá aumento da carga tributária no setor de serviços, o que ameaçaria 3,8 milhões de empregos.

Isenções

O texto também propõe que:

—alguns medicamentos específicos, como os utilizados para o tratamento contra o câncer, ficarão isentos da cobrança do futuro IVA;
— redução de 100% da alíquota do IVA federal (chamado de CBS) incidente sobre serviços de educação de ensino superior (Prouni);
— possibilidade de produtores rurais que atuam como pessoas físicas e tenham receita anual de até R$ 2 milhões ficarem “livres” de recolher o futuro IVA dual (CBS e IBS). De acordo com Aguinaldo Ribeiro, essa medida contemplaria mais de 98% dos produtores rurais do país.

Tratamentos diferenciados

Alguns tipos de produtos e serviços poderão receber tratamento específico por terem peculiaridades e não se adequarem ao regime geral de incidência do IVA.

O texto prevê os seguintes casos:

— Combustíveis e lubrificantes: alíquotas uniformes cobradas em uma única fase da cadeia e possibilidade de concessão de créditos para os contribuintes;
— Serviços financeiros, operações com bens imóveis, planos de assistência à saúde e concursos de prognósticos (como as loterias): alterações nas alíquotas, nas regras de creditamento e na base de cálculo, além da possibilidade de tributação com base na receita ou no faturamento;
— Compras governamentais: não incidência do IVA dual (IBS e CBS), desde que haja manutenção dos créditos relativos às operações anteriores da cadeia.

*Com informações de O Sul

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp