Políticos gaúchos se manifestam sobre CPMI para apurar 8 de janeiro

Comissão Mista Parlamentar de Inquérito já conta com mais de 200 assinaturas no Congresso Nacional

Publicado por
08:17 - 28/03/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPMI) que vai apurar os atos de 8 janeiro em Brasília deve entrar na pauta do Congresso Nacional (união da Câmara dos Deputados com o Senado) apenas no final do mês de abril. Conforme a Gazeta do Povo, a demora para a convocação do Congresso Nacional por parte de seu presidente, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), é pela necessidade dele fazer a leitura do pedido.

Agora, lideranças políticas gaúchas, tanto de situação como de oposição, se manifestaram sobre o caso. O Portal Leouve entrou em contato com a deputada federal Denise Pessôa que, por meio de sua assessoria de imprensa, se manifestou sobre o caso.

“Não iremos assinar neste primeiro momento a CPI porque entendemos que as investigações já estão em andamento. Entendemos ainda, que as polícias e o judiciário estão cumprindo suas tarefas neste caso.”

Outro político gaúcho que se manifestou sobre o caso foi o senador Luis Carlos Heinze (PP). Conforme ele, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) havia informado ao ministro da justiça, Flávio Dino, sobre uma possível invasão. Ele também questionou os motivos pelo Governo Federal não querer a CPMI.

“Não aceitamos a depredação do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e até no Palácio do Planalto. No dia 6 de janeiro, a ABIN prestou uma informação que havia comunicado ao ministro da justiça Flávio Dino, que convocou naquele dia a Força Nacional que mandou a informação para 48 órgãos que fazem a segurança do Governo Federal, e providência poderiam ter sido tomadas na sexta-feira e sábado e no próprio domingo”

A Comissão foi protocolada deputado federal André Fernandes (PL-CE) em 27 de fevereiro. Conforme ele, na data já eram mais de 189 assinaturas na Câmara dos Deputados e 33 no Senado Federal.

Ataques em Brasília

Em 8 de janeiro, manifestantes contrários ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) invadiram as sedes dos Três Poderes (Palácio do Planalto, Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal), em Brasília. Na ocasião, os prédios públicos foram depredados e 2.151 pessoas foram presas em flagrante, estimasse que cerca de 600 ainda continuem detidos. Conforme o ministro do STF, Alexandre de Moraes, foram instaurados sete inquéritos para apurar o caso.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp