Como a desaceleração do núcleo da Terra está deixando os dias mais longos

Pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia revelaram que o núcleo da Terra está desacelerando em relação à superfície. Este…

Publicado por
16:29 - 14/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
desaceleração do núcleo da Terra

Foto: Freepik

Pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia revelaram que o núcleo da Terra está desacelerando em relação à superfície. Este fenômeno, que pode ter implicações para a duração dos dias e efeitos climáticos, foi divulgado na revista Nature nesta quarta-feira, 12.

Este núcleo é composto principalmente por ferro e níquel, sendo a camada mais interna do planeta. Ele tem cerca de 3.480 km de espessura e temperaturas que podem chegar a 6.000°C, sendo dividido em duas partes: o núcleo externo e o núcleo interno. A movimentação deste último ainda é objeto de estudo, mas as novas descobertas sugerem que ele está girando mais devagar do que o próprio planeta.

A pesquisa foi baseada em análises de dados sísmicos provenientes das Ilhas Sandwich do Sul, onde 121 terremotos repetidos ocorreram entre 1991 e 2023. Além disso, dados dos testes nucleares soviéticos gêmeos entre 1971 e 1974 também foram considerados. Esses eventos sísmicos produzem padrões idênticos em registros de sismogramas, permitindo aos cientistas detectar mudanças sutis na rotação do núcleo interno.

desaceleração do núcleo da Terra

Foto: Freepik

Embora a desaceleração do núcleo da Terra seja um processo lento e difícil de perceber, ela pode resultar em um aumento na extensão dos dias. No entanto, os pesquisadores afirmam que essa mudança será muito difícil de notar no dia a dia. Ainda assim, o estudo abre questões importantes sobre as consequências a longo prazo desse fenômeno.

Os cientistas estão agora focados em mapear a trajetória do núcleo interno com mais detalhes para entender melhor por que ele está se deslocando… Com o tempo, essas pesquisas podem revelar mais sobre os mistérios do nosso planeta e como ele evolui ao longo dos séculos.

Clique aqui para mais artigos

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp