Atividade industrial gaúcha cresce 4,4% no primeiro semestre

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) cresceu 1%, em junho, com ajuste sazonal, recuperando parte da queda de 2,5% de…

Publicado por
09:41 - 09/08/2022

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Atividade industrial gaúcha cresce 4,4% no primeiro semestre

Foto: José Paulo Lacerda/CNI / Rádio Guaíba

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) cresceu 1%, em junho, com ajuste sazonal, recuperando parte da queda de 2,5% de maio. É o que aponta a pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), cujo resultado mantém o nível de atividade do setor no RS 9,1% acima do patamar anterior ao da pandemia, em fevereiro de 2020, e encerra o primeiro semestre de 2022 com elevação de 4,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Dos seis componentes do IDI-RS, cinco cresceram na passagem de maio para junho: faturamento real (1,1%), horas trabalhadas na produção (1,6%), emprego (1%), massa salarial real (0,3%) e compras Industriais (1%.).  A exceção foi a utilização da capacidade instalada que caiu 1,3 ponto percentual, para 80,4%.

Na comparação com o mesmo mês de 2021, o IDI-RS subiu 4,4% em junho, na 22ª taxa positiva consecutiva. O mesmo resultado foi obtido no semestre em relação aos primeiros seis meses de 2021, com cinco dos seis componentes em alta. O destaque positivo foram as horas trabalhadas na produção, que cresceram 9%. Contribuíram na mesma direção, o emprego (6,4%), a massa salarial real (6,8%), as compras industriais (3,9%) e o faturamento real (3,7%). A exceção foi a utilização da capacidade instalada (UCI), cuja média de 81%, em 2022, ficou 0,7 ponto percentual abaixo do primeiro semestre de 2021.

Em compensação, apenas sete dos 16 setores pesquisados registraram elevação no mesmo período. Quatro setores sustentaram a expansão da atividade nos primeiros seis meses de 2022: Máquinas e equipamentos, que subiu 10,9%; Couros e calçados, 11,2%; Veículos automotores, 13,6%; e Tabaco, 20,3%. Já as maiores influências negativas vieram de Produtos de metal, -3,3%; Móveis, -5,9%; e Metalurgia, -9,2%.

*Fonte Rádio Guaíba

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp