Ajuda humanitária começa a entrar na Faixa de Gaza

A liberação permitiu a entrada de 20 caminhões com remédios, suprimentos médicos e uma quantidade limitada de alimentos enlatados

Publicado por
09:20 - 21/10/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Ajuda humanitária começa a entrar na Faixa de Gaza

Foto: Reprodução/ Redes Sociais

A passagem de Rafah, na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito, foi aberta neste sábado, 21, para entrada de ajuda humanitária aos palestinos. A informação foi divulgada pela Embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém. Os comboios de ajuda humanitária estavam bloqueados há dias no local. A liberação permitiu a entrada de 20 caminhões com remédios, suprimentos médicos e uma quantidade limitada de alimentos enlatados. Outros 80 veículos aguardavam autorização de entrada. A passagem de Rafah é o único ponto de entrada para a Faixa de Gaza que não é controlado por Israel, que apertou o cerco ao enclave palestino contra o grupo Hamas, deixando-o sem água, eletricidade, internet e combustível, embora posteriormente tenha restabelecido parcialmente o abastecimento de água. Esta medida deteriorou a situação dos 2,3 milhões de habitantes do enclave, que aguardam a chegada de ajuda humanitária.

Desde o início do novo conflito, inclusive, fronteiras foram bombardeadas pelo exército israelense. Após uma reunião com o líder norte-americano, entretanto, o governo de Israel informou que permitirá as entregas de água, alimentos e medicamentos. Nos últimos dias, Israel passou a ser muito criticado pela forma como estava respondendo aos ataques do Hamas. Contrário ao bloqueio, a OMS (Organização Mundial da Saúde) também ressaltou a necessidade de combustível para a população palestina. “O combustível também é necessário para geradores hospitalares, ambulâncias e usinas de dessalinização – e instamos Israel a adicionar combustível aos suprimentos vitais autorizados a entrar em Gaza”, cobrou o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa. Ao todo, mais de 5.500 pessoas morreram em decorrência da guerra, iniciada há cerca de duas semanas, em 7 de outubro.

 

Fonte: Jovem Pan

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp