Erik Cardoso se torna o primeiro brasileiro a correr abaixo de 10s nos 100m e garante índice olímpico

Ele conquistou a medalha de prata neste Sul-americano, ficando atrás de Asinga Issamade, do Suriname

Publicado por
06:54 - 29/07/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Erik Cardoso foi o destaque do primeiro dia no Sul-americano de Atletismo. Foto Wagner Carmos CBAt

Erik Cardoso foi o destaque do primeiro dia no Sul-americano de Atletismo (Foto Wagner Carmos/CBAt/Divulgação)

Erik Cardoso, 23 anos, fez história no primeiro dia do Campeonato Sul-Americano de Atletismo, que está sendo disputado em São Paulo. O velocista se tornou o primeiro brasileiro a correr abaixo dos 10s nos 100 metros rasos. O tempo de 9s97 na final da prova foi alcançado na sexta-feira (28). Assim, ele quebrou o recorde nacional de Robson Caetano (10s00), de 1988. Com isso, ele conquistou a medalha de prata neste Sul-americano e ainda garantiu a classificação para os Jogos Olímpicos Paris 2024.

O velocista correu abaixo do índice olímpico de 10 segundos e do índice para o Mundial de Atletismo, que vai ser realizado em agosto em Budapeste, na Hungria. O tempo de 9s97 deixou Erik Cardoso atrás somente de Asinga Issamade, do Suriname, que conquistou o ouro com tempo de 9s89, se tornando o sul-americano mais rápido da história, recorde que também pertencia a Robson Caetano com os 10s00 do Campeonato Ibero-Americano, no México, 1988. O pódio do Sul-americano foi completado pelo colombiano Ronal Mosquera, com 9s99.

“Estou muito agradecido por ter conseguido essa marca de 9s97. Foi uma prova muito forte, três atletas sul-americanos correndo na casa dos 9 segundos. Fico muito feliz por ter conquistado, foi incrível”, ressaltou Erik após a prova.

Erik Cardoso, ao centro, conseguiu o tempo de 9s97 na final do Sul-americano de Atletismo (Foto Wagner Carmo/CBAt/Divulgação)

Erik Cardoso, ao centro, conseguiu o tempo de 9s97 na final do Sul-americano de Atletismo (Foto Wagner Carmo/CBAt/Divulgação)

Classificado para o Mundial da modalidade, Erik destacou que a meta é dar um passo de cada vez visando às próximas competições. Na sequência do Mundial, em agosto, ele se vai se preparar para os Jogos Pan-Americanos Santiago 2023, no qual tem vaga garantida por ter sido campeão dos Jogos Pan-Americanos Júnior Cali 2021. E, claro, ressaltou que o foco agora se volta também para os Jogos Olímpicos Paris 2024.

“Ainda está caindo a ficha de que conquistei o índice olímpico. Agora é continuar trabalhando forte. Graças a Deus tenho esse dom de correr e humildemente vou seguir treinando duro, com paciência e foco para chegar íntegro e evoluir nas competições. Vamos de tijolinho por tijolinho em busca do meu recorde pessoal e ir avançando nas etapas. Tenho o grande sonho de entrar numa final olímpica e vou brigar por isso”, pontuou.

Além de Cardoso nos 100 metros rasos, Almir Cunha dos Santos, no salto triplo, também garantiu o índice olímpico. Ele fez 17,24m no salto triplo e superou o índice de Paris 2024 de 17,22m para também garantir seu passaporte nos Jogos Olímpicos e uma vaga no time que brigará por medalhas no Mundial da modalidade.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp