Confirmados primeiros casos de óbito por gripe influenza no RS

0
954
(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

A Secretaria Estadual da Saúde registrou nesta semana os dois primeiros casos de óbito por gripe no Rio Grande do Sul. As vítimas são dois idosos, de 71 e 79 anos, residentes, respectivamente, das cidades de São Gabriel e Barra do Ribeiro. O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) confirmou os diagnósticos para os tipos de vírus influenza A-H1N1 e A-H3N2.

Aproximadamente 2,3 milhões de gaúchos já se vacinaram contra os três tipos de gripe mais frequentes (A-H1N1, A-H3N2 e B), mas cerca de 1,5 milhão ainda não compareceram aos postos de vacinação. A campanha de vacinação vai até o dia 31 de maio.

“Os óbitos alertam para a necessidade de as pessoas se vacinarem, principalmente as crianças, que tiveram uma das menores coberturas até agora”, disse a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann.

O caso mais recente dos óbitos ocorreu no último dia 11, em São Gabriel, com um idoso de 71 anos que contraiu o tipo de vírus A-H1N1. Anteriormente, em 2 de maio, a mulher de 79 anos, residente em Barra do Ribeiro, morreu após ficar internada na capital e teve diagnóstico para H3N2.

Ambos haviam procurado atendimento médico ao apresentar os sintomas típicos da influenza, como desconforto respiratório, tosse, dor de garganta e febre. Os dois acabaram sendo transferidos para leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e chegaram a iniciar tratamentos com antivirais. Nenhum dos dois havia sido vacinado, pois ficaram doentes antes da campanha de vacinação iniciar.

Os dois tinham ainda fatores de risco. O morador de São Gabriel era diabético, enquanto a residente em Barra do Ribeiro tinha uma imunodeficiência crônica.

Até a última quarta-feira (15), foram registrados nove casos pelos três tipos de vírus influenza.

A campanha de vacinação contra a gripe neste ano iniciou em 10 de abril para as crianças e gestantes e em 22 de abril para os demais grupos. As mais de 2,3 milhões de doses aplicadas até agora representam 60% de cobertura. A meta é chegar a 90% em cada grupo. “A vacina da gripe é 100% segura”, frisa a secretária Arita.

COMPARTILHAR

LEAVE A REPLY