Perícia confirma que sangue na cama de namorado é de jovem desaparecida em Bento Gonçalves

Hellen Natália de Freitas Lopes foi vista pela última vez em 9 de dezembro de 2023, com seu namorado e uma amiga, em um posto de combustíveis. O rapaz está preso preventivamente desde então

Publicado por
13:30 - 10/04/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Perícia confirma que sangue encontrado na cama e no carro de namorado é da jovem desaparecida há 4 meses em Bento Gonçalves

Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

CORREÇÃO: A perícia do IGP confirmou o encontro de sangue com DNA de Hellen Natália Lopes apenas na cama do namorado dela, e não na cama e no carro, como informado inicialmente. 

Após quatro meses, o desaparecimento de Hellen Natália de Freitas Lopes, de 24 anos, segue sem solução definitiva. Nos últimos dias a investigação avançou com o resultado da perícia genética do Instituto Geral de Perícias (IGP), que indicou que o sangue encontrado na cama do namorado era mesmo dela.

O caso é conduzido pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM). A jovem foi vista pela última vez em 9 de dezembro de 2023, acompanhada de seu namorado e uma amiga, em um posto de combustíveis em Bento Gonçalves.

O companheiro de Hellen, que possui registro de agressão contra ela, foi detido poucos dias após o desaparecimento da jovem e permanece preso preventivamente. Em seu depoimento, o rapaz alegou não saber do paradeiro da namorada.

Mesmo sem uma conclusão, o inquérito já foi enviado ao Ministério Público (MP). A perícia, com a técnica do luminol, revelou a presença de sangue na cama do casal, sendo constatado pelo IGP que o DNA é de Hellen. As investigações continuam, sendo que nenhuma hipótese foi descartada pela polícia.

Enquanto isso, a família da jovem continua a busca por respostas, clamando por informações sobre o paradeiro dela. Segundo a tia da desaparecida, Lidiane Pereira, a família enfrenta dificuldades para estabelecer contato com a delegada responsável e receber atualizações sobre o andamento do caso. Ela também declarou que não acredita mais que a Hellen seja encontrada com vida.

Em resposta à reportagem do Grupo RSCOM, a delegada Deise Salton Brancher Ruschel, da DEAM, afirmou que a família mantém contato com a polícia, porém não haveria novas informações disponíveis para divulgação. “As diligências em andamento são sigilosas”, disse a delegada.

“Não é verdade que não estou respondendo aos questionamentos do pai e da madrasta. Falo frequentemente com eles dois. Apenas não posso falar com todos os familiares. E o pai e a madrasta concordaram com isso”, acrescentou Deise.

 

Lidiane (tia e Hellen). Foto: Arquivo pessoal

 

 

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp