Suspeita de envolvimento em ataque com ácido em Jacarezinho é presa

Motivação do ataque teria sido “ciúmes”. Vítima está internada em estado grave

Publicado por
22:03 - 24/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: PM-PR / Arquivo Pessoal

Uma mulher suspeita de envolvimento no ataque com ácido que vitimou Isabelly Aparecida Ferreira Moro, de 23 anos, em Jacarezinho, no Paraná, foi presa na manhã desta sexta-feira (24). A identidade da suspeita não foi divulgada. Informações preliminares indicam que o crime foi motivado por ciúmes.

Dinâmica da Prisão

De acordo com a Polícia Militar, a corporação recebeu uma denúncia de que uma mulher estava escondida em uma área de mata na periferia de Jacarezinho, pedindo socorro. Agentes se dirigiram ao local, encontraram a suspeita, que acabou confessando a participação no ataque.

Contexto do Ataque

O ataque ocorreu na tarde de quarta-feira (22), quando Isabelly voltava da academia. Câmeras de segurança registraram o momento em que uma pessoa jogou ácido no rosto da jovem, que saiu pela rua pedindo ajuda. Isabelly sofreu queimaduras no rosto, no peito e ingeriu parte do líquido, o que causou ferimentos internos nas vias aéreas e no esôfago. Ela está internada na UTI do Hospital Universitário de Londrina, sedada e intubada, em estado grave.

Investigações e Motivações

Os investigadores continuam a levantar informações sobre o caso. A família da vítima inicialmente declarou que Isabelly não tinha nenhum relacionamento amoroso, perseguidor (stalker) ou recebeu ameaças.

Repercussão

O caso chocou a comunidade local e chamou a atenção para a gravidade dos ataques com ácido, que causam danos físicos e psicológicos severos às vítimas. As autoridades estão empenhadas em esclarecer todos os detalhes do crime e assegurar que os responsáveis sejam levados à justiça.

Situação Atual

Isabelly Aparecida Ferreira Moro segue em estado grave, recebendo tratamento intensivo. A polícia continua a investigação para determinar todos os envolvidos e entender completamente a motivação do ataque.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp