Viva com Saúde – 29/05/2024 – Gravidez psicológica: como cérebro e corpo reagem ao transtorno

No Viva com Saúde de hoje vamos falar sobre gravidez psicológica.

Publicado por
05:30 - 29/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

A pseudociese, conhecida popularmente como gravidez psicológica, é um distúrbio que ocorre quando a mulher tem certeza de que está grávida, mesmo com os exames médicos mostrando o contrário. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), estima-se que a cada 22 mil gestações no mundo, ao menos uma é psicológica.

A psiquiatra Danielle H. Admoni explica que, geralmente, as mulheres acometidas pela pseudociese têm histórico de transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão. Mulheres que passaram por traumas como a perda de um filho, abusos sexuais, histórico de aborto espontâneo e pressão do parceiro ou de familiares para engravidar também podem desenvolver o distúrbio, assim como as que têm dificuldade para engravidar ou são inférteis.

Vale lembrar que a gravidez psicológica não é uma invenção da mulher, pois ela realmente acredita estar grávida. Muitas vezes, a pseudociese é a válvula de escape que o cérebro encontrou para lidar com as adversidades psicológicas. Portanto, julgamentos só irão agravar o transtorno. A família deve dar apoio, conforto e acompanhar o tratamento psicológico, até para entender melhor a condição e saber como lidar com o quadro.

De alguma forma ainda inexplicada pela ciência, o cérebro reage aos estímulos provocados pelas mudanças do estado emocional, desregulando a produção hormonal. As pacientes param de menstruar, sentem náuseas e enjoos matinais, têm desejos alimentares, sonolência, apresentam crescimento e dor nos seios, aumento de apetite, produção de leite nas mamas e distensão abdominal.

Algumas mulheres chegam a sentir os movimentos do bebê, as dores e as contrações do parto. E mesmo sem haver o nascimento, elas insistem que filho vai aparecer em algum momento, podendo esperar por tempo indefinido.

O ginecologista e obstetra Carlos Moraes explica que esse distúrbio é classificado como transtorno somatoforme, ou seja, quando os sintomas físicos não têm uma base médica contestável. Mesmo com os resultados negativos, muitas mulheres não ficam convencidas de que a gestação não é real. Nesses casos, cabe ao ginecologista indicar um tratamento psicológico para identificar a origem do transtorno e tratar a causa. Também pode ser preciso intervenção com medicamentos hormonais para regularizar a menstruação e encerrar a produção de leite.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp