RS vai adotar estado de emergência zoossanitária para enfrentamento da gripe aviária

De acordo com a Secretaria da Agricultura do Estado, decreto com a medida recomendada pelo Ministério da Agricultura aguarda apenas a análise e assinatura do governador Eduardo Leite.

Publicado por
15:42 - 27/07/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
gripe aviária

gripe aviária

O Rio Grande do Sul deve decretar em breve o estado de emergência zoossanitária recomendado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) para todas as unidades da federação como medida de prevenção e enfrentamento da influenza aviária.

Gripe aviária

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), a decisão foi consolidada no final da tarde de quarta-feira e não foi comunicada no site da pasta porque o documento ainda aguarda análise e assinatura do governador Eduardo Leite.

O estado de emergência zoossanitária foi adotado nacionalmente pelo Mapa no final de maio. Há cerca de uma semana, o titular da pasta, Carlos Fávaro, fez a recomendação de que a medida fosse decretada individualmente para cada estado, como forma de facilitar o acesso a recursos governamentais para ações de controle da doença.

Gripe aviária

Fonte: Correio do Povo

Veja também

Ministério da Agricultura confirma mais um caso de gripe aviária e número total chega a 68

Ministério da Agricultura informou, em atualização na plataforma oficial às 19h (horário de Brasília) desta terça-feira (25), que um novo foco de gripe aviária (IAAP, vírus H5N1) em ave silvestre foi detectado no Brasil. No total, há 66 casos da doença em aves silvestres no país e dois em produção de subsistência, de criação doméstica.

De acordo com o ministério, há outras sete investigações em andamento, com coleta de amostra e sem resultado laboratorial conclusivo.

Apesar disso, as notificações em aves silvestres e ou de subsistência não comprometem o status do Brasil como país livre de IAAP e não trazem restrições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros, conforme prevê a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA).

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp