Polícia Civil e Polícia Federal deflagram Operação Soft Power contra o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em São Borja

Até o momento 12 pessoas foram presas. Duas armas foram apreendidas, além de quatro veículos e porções de drogas.

Publicado por
21:29 - 05/10/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Polícia Civil

A Polícia Civil, por meio da 1ª Delegacia de Polícia de São Borja, em conjunto com a Polícia Federal, deflagrou a Operação Soft Power nesta quinta-feira (05). O objetivo da operação é investigar crimes de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Até o momento 12 pessoas foram presas. Duas armas foram apreendidas, além de quatro veículos e porções de drogas.

Segundo a Delegada Elisandra Mattoso Batista, a investigação que deu origem à Operação Soft Power iniciou em 2022, quando a Polícia Civil e a Polícia Federal, de São Borja, instauraram diversos inquéritos policiais para investigar a atuação de um grupo criminoso dedicado ao tráfico de drogas na cidade.

Durante as investigações, foi constatada a articulação de uma grande rede de traficantes vinculados a essa organização criminosa, a qual é um braço de outra organização maior, oriunda da Região Metropolitana e Vale dos Sinos, que movimenta grande volume de entorpecentes e possui o monopólio desse mercado ilícito no município de São Borja, há alguns anos.

Uma das formas de traficância evidenciada nas investigações é a utilização de veículos, inclusive veículos vinculados a uma empresa de aplicativo de mobilidade urbana para realizar a “tele-entrega” de entorpecentes a usuários.

Para além da traficância, o grupo criminoso também é responsável por diversos crimes de homicídios, extorsões, sequestros, lavagem de dinheiro, dentre outros, os quais geram grande sensação de intranquilidade para a comunidade de São Borja.

As investigações evidenciam que o grupo criminoso é comandado por indivíduos recolhidos ao sistema prisional no Estado e os crimes são executados por comparsas em liberdade. O nome Soft Power, que significa “Poder Moderado”, aduz que o Estado não se utilizou de todos os meios disponíveis, deixando claro que não se fará ausente e empregará todas as forças quando necessário em prol da sociedade local.

Participaram da operação aproximadamente 380 policiais civis, federais, militares e rodoviários federais de diversos locais do Estado, com o apoio de unidades especializadas dessas instituições, tais como a Core (Coordenadoria de Recursos Especiais) e a DOA (Divisão de Operações Aéreas da Polícia Civil), o Grupo de Pronta Intervenção (GPI) da Polícia Federal, o Bope (Batalhão de Operações Especiais) e o BPChoque (Batalhão de Choque) da Brigada Militar e da PRF.

Durante a ação foram mobilizadas cerca de 100 viaturas policiais, além do helicóptero da Polícia Civil para completo cercamento das áreas onde foram cumpridas as ordens judiciais.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp