Pedágios: “Lideranças têm aparecido para tentar barrar o processo, mas na hora boa, não compareceram” diz prefeito Adiló

Caso seja homologado pelo governador do Estado, as tarifas poderão ir de R$ 6,85 a R$ 9,83

Publicado por
16:05 - 21/04/2022

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Divulgação / EGR / Prefeitura de Caxias

Após o resultado do leilão do bloco 3, realizado na semana passada pelo governo estadual, concedendo à iniciativa privada a exploração por 30 anos de 271,5 km de estradas gaúchas, da Serra ao Vale do Caí, com tarifas que vão de R$ 6,85 a R$ 9,83, o prefeito de Caxias do Sul, Adiló Didomenico, se manifestou sobre o assunto, mostrando grande preocupação no valor elevado das tarifas.

Eu participei de várias reuniões dos pedágios. Eu observava que os prefeitos colocavam muitas obras no contrato e eu alertei, por duas vezes, em duas reuniões, eu disse olha – o excesso de obras é importante, pois nós estamos numa região carente de infraestrutura, só não esqueçam que tudo isso vai fazer parte da tarifa e está aí hoje – então nós temos que decidir, queremos obras ou queremos tarifa baixa”, disse Adiló.

Didomenico destacou que algumas lideranças deveriam ter se manifestado antes do resultado do leilão. “Onde tem tarifa baixa, normalmente é apenas manutenção. A nossa região inclui terceira pista, inúmeros viadutos, cruzamentos, pistas laterais… Isto tudo tem um custo. Eu vejo que algumas lideranças têm aparecido agora para tentar barrar o processo, mas na hora boa, na hora que tinha que ter participado e ajudado a alertar estas questões, não compareceram nas reuniões” relata o prefeito de Caxias.

Para finalizar, Adiló destacou que no momento, cabe aos políticos da região fiscalizar os contratos e exigir o cumprimento das obras ao invés de ser contra a licitação que foi feita. “Acho que vamos por o Estado do RS num descredito total parando com esse processo. O momento certo era ter participado lá atrás quando teve a colocação dessas inúmeras obras. Eu volto a frisar, obras muito importantes foram colocadas, isto vai mudar a realidade de nossa região e isso tem um custo, não tem como negar” finaliza Didomenico.

Na última terça-feira (19), prefeitos, vereadores, representantes do empresariado, líderes de bancadas e deputados estiveram na Assembleia Legislativa debatendo sobre o resultado do leilão e a falta de concorrência na disputa, sendo apenas uma empresa que se habilitou a participar, oferecendo um deságio de apenas 1,3% no valor da cobrança, contra mais de 50% em outros leilões, além da inexistência de diálogo real por parte do executivo gaúcho. Dadas as circunstâncias, o presidente do Parlamento gaúcho, deputado Valdeci Oliveira (PT), propôs ponderar junto ao governador para que ele receba uma comitiva representativa.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp