Operação integrada captura 339 pessoas em dois dias no RS

Ação entre Brigada Militar e Polícia Civil atuou com foco na Região Metropolitana, Serra e Litoral

Publicado por
13:09 - 09/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
OPERAÇÃO

Foto: Gabriel Centeno/SSP

A Operação Clausura, desencadeada pela Polícia Civil (PC) e pela Brigada Militar (BM), resultou em 339 prisões e apreensões de menores em 48 horas no Rio Grande do Sul. Mais de 4 mil policiais em 1,5 mil viaturas atuaram em quase todas as regiões, com foco na Região Metropolitana, na Serra e no Litoral. Foram realizadas abordagens, fiscalizações e cumprimentos de mandados judiciais. A ação de pressão operacional ocorreu nos dias 5 e 6 de junho.

O secretário da Segurança Pública, Sandro Caron, reforçou o compromisso da pasta para garantir a ordem e reduzir os indicadores de criminalidade:

“As ações da Brigada Militar e da Polícia Civil culminaram em aproximadamente sete prisões por hora. As reduções dos índices servem de impulso para combater, com mais força, os criminosos que tentam atuar no Estado. O nosso recado é bem claro: não iremos tolerar o crime no Rio Grande do Sul”, afirmou.

No período da Operação Clausura, quase 16 mil pessoas foram abordadas, e 10 mil veículos foram fiscalizados. Os policiais civis e militares também realizaram 863 barreiras e fiscalizaram mais de 500 estabelecimentos comerciais.

O subcomandante-geral da Brigada Militar, coronel Douglas da Rosa Soares, apontou a estratégia operacional para o desenvolvimento das ações:

“Nosso planejamento envolveu estratégias específicas para as áreas afetadas pelas enchentes e, também, para os municípios que tiveram um aumento de pessoas que saíram das cidades alagadas, com foco na prisão de suspeitos”, explicou ele.

O subchefe da Polícia Civil, delegado Heraldo Guerreiro, destacou o cumprimento de mandados judiciais:

“Entre as 339 prisões e apreensões de menores, mais de 160 foram em cumprimento de mandados de prisão, para tirarmos das ruas suspeitos de crimes e ampliar a redução dos indicadores”.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp