Mano Menezes ressalta importância de não correr riscos com Alan Patrick e comenta interesse do Corinthians

Time iniciou com o camisa 10 no banco de reservas, e quando ele entrou no jogo, mudou a partida

Publicado por
09:26 - 01/05/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
MANO MENEZES INTER

Foto: Reprodução

Os três pontos conquistados pelo Inter contra o Goiás ontem (30), no Beira-Rio apresentaram novamente algumas carências do time gaúcho, mas provou que existe evolução no trabalho. Na coletiva após o jogo o técnico Mano Menezes falou sobre sua equipe na partida.

O camisa 10 Alan Patrick iniciou a partida no banco de reservas, até ai o time pouco conseguiu criar com efetividade. Na segunda etapa, com sua entrada, a apresentação foi outra, mas seu desgaste foi tema na entrevista:

“Eu penso que Alan Patrick está dentro do que ele precisa fazer. O controle que estamos tendo é o suficiente para não correr risco. Correr risco se eu iniciasse a primeira parte com ele, se deixasse ele mais tempo em campo, ai sim seria um risco maior”.

Ele comparou a atuação de ontem com a da partida diante do CSA, pela Copa do Brasil, onde a classificação foi alcançada nos pênaltis depois de perder por 2×1 no tempo normal, esta que em sua visão foi uma apresentação melhor.

Mano Menezes relembrou das dificuldades que são enfrentadas ao longo das 38 rodadas da competição e exemplificou a importância do ponto conquistado diante do Fortaleza, fora de casa, na estreia da Série A para a campanha.

Inevitavelmente, o técnico do Inter foi questionado sobre a ventilação de seu nome em uma tentativa do Corinthians em tirá-lo do Beira-Rio:

“Vamos separar convites de sondagens. Como eu não estou no mercado, eu tenho um contrato em vigor, a minha resposta quando dessa situação é sempre a mesma, eu pretendo cumprir o meu contrato, independentemente de pressão, crítica momentânea, de não atingir o objetivo, isso é assim”.

Ele se disse orgulhoso por ter seu nome lembrado, e que isso é fruto do que ele tem apresentado. Sobre o duelo contra o Nacional pela Libertadores ele admitiu ser um futebol (uruguaio) muito difícil de enfrentar, mas que a preparação será feita da melhor maneira possível.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp