Mais de 22 mil pacientes faltam a consultas nas UBS’s no 1º semestre de 2019

Conforme levantamento da Secretaria de Saúde de janeiro a junho deste ano, mais de 22 mil usuários não compareceram a…

Publicado por
21:37 - 19/07/2019

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Divulgação

Desvio Rizzo, Fátima Baixa, São José e Planalto Rio Branco lideram o ranking de UBS’s com maior índice de absenteísmo no período Foto: Divulgação

Conforme levantamento da Secretaria de Saúde de janeiro a junho deste ano, mais de 22 mil usuários não compareceram a consultas agendadas em uma das 49 Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) de Caxias. O número representa 7,3% do total de 303,1 mil atendimentos ofertados no período.

As UBS’s Fátima Baixa, São José, Desvio Rizzo e Planalto Rio Branco lideram o ranking de serviços com maior índice de absenteísmo do semestre, com percentuais que variam de 12% a 13%, aproximadamente. Já Belo Horizonte, Vila Cristina, Criúva e Vila Lobos registram as mais baixas taxas de ausência, de 0,9% a 2,9%.

O balanço considera todos os atendimentos que podem ser agendados na rede básica de saúde, exceto os odontológicos. São eles: consultas com médicos clínicos, pediatras e ginecologistas, enfermeiros e, nas UBS’s em que estão disponíveis, demais profissionais de apoio como nutricionista, assistente social, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, entre outros.

O secretário municipal da Saúde (SMS), Júlio Freitas, lamenta o índice de absenteísmo na rede básica. Conforme ele, cada um precisa fazer a sua parte, poder público e comunidade. “O sucesso das políticas públicas depende do comprometimento de ambas as partes. Se a pessoa não puder comparecer a uma consulta agendada, basta informar a UBS. Assim, o atendimento pode ser oferecido a outro cidadão que precisa”, afirma.

Adriane Borella, diretora da Atenção Básica, explica que o ideal é o usuário desmarcar com antecedência. Porém, se não for possível se antecipar, essa comunicação pode ser feita a qualquer tempo. “Como a procura pelo serviço é grande, se sabemos que um usuário não comparecerá, mesmo que ele informe no dia do agendamento, ainda conseguimos direcionar o atendimento para a demanda espontânea daquela data”, explica.

Na rede especializada, ausências somam 13 mil de janeiro a junho
No primeiro semestre deste ano, quase 13 mil consultas foram perdidas no Centro Especializado de Saúde (CES) devido a faltas de usuários. O número representa 17,45% do total de 73,9 mil atendimentos agendados de janeiro a junho de 2019.

Entre 24 especialidades ofertadas no serviço, as que apresentam um maior índice de ausência nesse período são: homeopatia, com uma média de 29,8%, seguido de fonoaudiologia (23,3%) e dermatologia (20,8%). Também chama a atenção o alto índice de absenteísmo em áreas de grande demanda, como ortopedia e neurologia, variando de 17% a 19%

Nicole Golin, diretora da Rede Especializada de Saúde, faz um alerta para que os usuários mantenham seus cadastros atualizados e avisem antecipadamente quando não puderem comparecer à consulta. “Boa parte dos atendimentos são perdidos porque não conseguimos localizar o paciente para avisar do agendamento. É preciso manter os telefones atualizados. Para desmarcar, o ideal é informar com pelo menos 24 horas de antecedência, para ofertarmos a vaga a outro usuário.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp