Legislativo de Farroupilha aprova o Dia Municipal de prevenção ao AVC

Projeto de autoria do vereador Juliano Baumgarten (PSB) segue agora para sanção do prefeito

Publicado por
10:13 - 23/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
FARROUPILHA

Foto: Reprodução/Câmara de Vereadores de Farroupilha

A data de 29 de outubro foi aprovada pela Câmara de Vereadores de Farroupilha como o Dia Municipal de prevenção ao AVC (Acidente Vascular Cerebral). O Projeto de Lei 007/2024 é de autoria do vereador Juliano Baumgarten (PSB).

O projeto tem como intuito a conscientização das pessoas, além de buscar reduzir o número de vítimas acometidas pelo AVC, que geralmente têm mais de 55 anos. No último ano, conforme a Associação de Registradores de Pessoas Naturais (Arpen) 100 mil brasileiros faleceram em virtude de AVCs.

Baumgarten comentou que o principal objetivo de seu projeto é levar a informação correta sobre a doença e salvar vidas:

“Tentar ajudar, orientar, conscientizar as pessoas sobre uma doença silenciosa. O intuito é mobilizar o Poder Público para trabalhar, para chamar as pessoas e dizer que o AVC tem prevenção. Nós precisamos conscientizar a população sobre isso para que ela compreenda que uma informação bem dada pode salvar vidas, e esse é o intuito do projeto”, relatou o vereador

A aprovação foi unânime entre os parlamentares, e a defesa do projeto contou com depoimento do vereador Tadeu Salib dos Santos (PL), que expôs sua experiência pessoal após sofrer cinco AVCs. A proposição seguirá para análise e sanção do Prefeito Municipal.

Sobre o AVC

O AVC acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a paralisia da área cerebral que ficou sem circulação sanguínea. Para sua prevenção deve-se controlar fatores de risco como: hipertensão, diabetes, colesterol elevado, arritmia cardíaca, sedentarismo, excesso de peso, a alimentação não saudável, o tabagismo, abuso de álcool e o estresse.

Nos últimos 10 anos houve um aumento de 40% dos casos no Brasil, conforme aponta dados do Ministério da Saúde, mas quase a totalidade dos registros poderiam ser prevenidos.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp