Já ouviu falar em luxação de patela em cães?

Leia mais Conheça Luchezi Assador, novo titular do Cozinha Viva Confira a programação do Corpus Christi com os tradicionais tapetes…

Colunista
Blog dedicado ao mundo dos pets com artigos produzidos pela classe veterinária e especialistas. Os textos têm como objetivo ajudar tutores com o dia a dia dos seus melhores amigos.
17:36 - 23/08/2021

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

A luxação de patela é uma patologia ortopédica comum em cães. Hoje em dia tornou-se mais comum diagnosticá-la devido ao aumento de cães de porte pequeno na casa das pessoas. É uma lesão no joelho, normalmente genética, que apresenta seus primeiros sinais entre 1 e 6 anos de idade.

Os principais sintomas são:

  • mancar;
  • gritar/chorar (quando a patela -comumente conhecida como rótula- sai do seu devido lugar);
  • esticar a pata para trás (tentativa do cão de recolocar a patela no lugar).

Essa luxação é classificada em 4 graus de acordo com sua gravidade. O grau 1 normalmente é o mais leve e a patela encontra-se instável, podendo sair do sulco troclear (local anatômico correto) apenas com a manipulação do veterinário.

O grau 2 já apresenta maior instabilidade, na qual a patela sai e volta para o lugar várias vezes durante o dia, dependendo da movimentação do animal, causando desconforto.

O grau 3 a patela já está mais fora do lugar do que no lugar correto, causando uma reação inflamatória dolorosa e contratura muscular.

O grau 4 é o mais grave de todos, a patela já não volta mais para o seu lugar de origem, causando artrose e muitas vezes insuficiência articular, fazendo com que o animal não queira mais apoiar aquela pata no chão.

Independente do grau, a luxação da patela para fora do sulco troclear causa uma lesão inflamatória e, a longo prazo, degenerativa na articulação. Por isso, além de cirurgia e fisioterapia, melhorias no ambiente e suplementação específica são parte do tratamento.

A luxação de patela além de genética, pode ser traumática e também pode aparecer em decorrência de doenças endócrinas. Por isso, caso seu cão apresente qualquer um desses sinais ou outra anormalidade na sua locomoção, é indispensável a consulta com seu veterinário clínico para o diagnóstico correto e plano de tratamento ideal para o seu pet!

 

 

Jéssica Mello de Mello
– Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2014
– Especializada em Fisioterapia de pequenos animais pela Fisio Care Pet de São Paulo em 2017
– Trainee na área da fisioterapia animal nos anos de 2017 e 2018
– Atuação autônoma e exclusiva com fisioterapia de 2019 até hoje

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp