Garibaldi: Corsan contratará estudo emergencial para adequar plano de contingência da barragem Santa Mônica

A ação foi em resposta a uma notificação emitida pela Prefeitura de Garibaldi após alagamentos registrados neste fim de semana

Publicado por
08:55 - 20/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

(Foto: Márcio Schinoff)

A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), responsável pela barragem Santa Mônica, em Garibaldi, contratará um estudo emergencial para adequar seu plano de contingência, buscando evitar novos casos de transbordo. A decisão veio após uma reunião no Centro Administrativo, na manhã desta terça-feira (18), onde o Executivo Municipal recebeu representantes da companhia, Defesa Civil e moradores atingidos por alagamentos.

Segundo o superintendente regional da Corsan, Lutero Cassol, a barragem já conta com um plano de contingência, que necessita ser reavaliado por conta das condições climáticas atuais, em que a precipitação de chuva é volumosa em um curto período de tempo. Cassol entende a função da represa de abastecimento hídrico da cidade, mas reconhece que, no atual momento, a mitigação de emergências com novas ações preventivas é mais importante.

Medidas da Prefeitura

Neste domingo (16), o transbordo da barragem Santa Mônica provocou o alagamento em um trecho da Rua João Missiagia e da Vicente Faraon. Por conta disso, a Prefeitura, na manhã de segunda-feira (17), notificou extrajudicialmente a Corsan para tomar as necessárias, e urgentes, medidas de prevenção ante o ocorrido. A Administração Muncicipal já havia solicitado o escoamento da água com antecedência, em virtude das informações meteorológicas da Defesa Civil.

Na tarde de segunda, o Executivo realizou uma reunião com os moradores das ruas afetadas pela água, para esclarecer o caso e explicar os próximos passos a serem tomados. A população participou e analisou a situação com a Administração, a fim de se posicionar junto com a Prefeitura sobre o que poderia ser realizado para evitar mais casos como o de domingo.

Na manhã desta terça, a Corsan respondeu a notificação com uma reunião entre o chefe do Executivo, o secretário de Obras, Alex Carniel, o procurador do Município, Emiliano Romagna, assessora jurídica da Secretaria de Obras, Tatiana Brambila, o coordenador da Defesa Civil de Garibaldi, Léo Gusso, representantes da agência reguladora (AGESAN), o gerente institucional da Aegea, Cesar Faccioli, representantes da companhia e da comunidade atingida. A partir disso, foi definido o planejamento para a aquisição de um estudo emergencial.

 

 

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp