FOTOS: Ponte da BR-116 entre Caxias do Sul e Nova Petrópolis é preparada para implosão

Pista está sendo desmanchada para a detonação, que deve ocorrer na semana que vem. Etapa faz parte dos trabalhos da nova estrutura, que tem prazo contratual de oito meses para conclusão

Publicado por
15:39 - 21/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
FOTOS: Ponte da BR-116 entre Caxias do Sul e Nova Petrópolis é preparada para implosão

Travessia cedeu parcialmente após as chuvas no dia 12 de maio | Foto: DNIT/divulgação

Os preparativos para a implosão da ponte na BR-116, entre Caxias do Sul e Nova Petrópolis, estão avançando. Em publicação nas redes sociais, nesta quinta-feira (20), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) mostra o andamento do trabalho, que teve ordem de serviço assinada no dia 4 deste mês. Segundo a autarquia, a detonação deve ser realizada na próxima semana. Na sequência, será feita a limpeza do local para construção da travessia definitiva sobre o Rio Caí.

O investimento previsto é de R$ 31 milhões. A obra tem prazo contratual de oito meses de conclusão, sob responsabilidade da construtora Cidade. A ponte original cedeu parcialmente em 12 de maio passado, impossibilitando o tráfego no local desde então.

122 de 125 bloqueios foram liberados

Em entrevista a rádios ontem no programa ‘Bom Dia, Ministro’, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o ministro dos Transportes, Renan Filho, abordou os planos para recuperação de estradas programados para este ano. De acordo com ele, o Rio Grande do Sul chegou a ter 125 pontos de interrupção em rodovias federais após a catástrofe climática, dos quais 122 já foram liberados. Entre os bloqueios que persistem estão a BR-116 e a BR-470, na Serra.

“Vamos fazer investimentos estruturantes nas rodovias. A reconstrução será com obras mais resilientes. Por exemplo, a ponte sobre o Caí, entre Nova Petrópolis e Caxias, terá cerca de um metro e vinte de elevação a mais em relação à ponte anterior. Faremos também várias outras obras de contenção de encostas”, declarou Renan Filho.

“Na BR-470 são as obras mais importantes entre Bento Gonçalves e Veranópolis, uma estrada que precisa de contenção. Nessa Medida Provisória que o presidente Lula editou, de R$ 1,2 bilhão, tem um bom volume de obras para contenção de encostas, que são as mais caras, mas muito importantes e muito relevantes”, complementou.

O ministro dos Transportes afirmou que, em todo o país, o investimento será de aproximadamente R$ 24 bilhões para cerca de 60 projetos no segmento rodoviário.

Início das obras foi autorizado no dia 4 de junho | Foto: DNIT/divulgação
Ponte está situada no km 174 da estrada federal | Foto: DNIT/divulgação

Ponte provisória

À curto prazo, o governo federal pretende retomar o tráfego entre os dois municípios através de uma ponte metálica provisória, que ligará Vila Cristina à localidade de São José do Caí, no lado de Nova Petrópolis. A estrutura chegou ao canteiro de obras, a partir de Aquidauana (MS), no dia 11 de junho. O lançamento da travessia estava previsto para ser feito pelo Exército na segunda-feira, após a finalização das cabeceiras. Entretanto, as chuvas volumosas do fim de semana atrasaram os serviços.

O superintendente regional do DNIT, Hiratan Pinheiro da Silva, relatou esta semana que a retomada das obras está em análise devido à alta vazão do Rio Caí, que danificou as cabeceiras. Para este serviço, realizado por empresa contratada pela autarquia, também não há uma projeção de finalização.

Neste sábado (22), quase todo o efetivo do 9° Batalhão de Engenharia de Combate deve retornar ao município sul-matogrossense, conforme o capitão Luís Carlos Henrique dos Santos. Vão permanecer no canteiro de obras apenas 15 militares, de um total de 77, para guarnecer os equipamentos. “Quando o Dnit finalizar seus trabalhos nas cabeceiras, retornamos para fazer a montagem da ponte”, informa.

A ponte, denominada Logistical Support Bridge (LSB), resiste até 80 toneladas e possui 60 metros de comprimento. O Exército estima levar de 20 a 30 dias para instalação da estrutura a partir do seu início.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp