Em novo decreto, Estado reconhece situação de emergência em Farroupilha

Documento foi publicado na noite desta terça-feira (21)

Publicado por
06:58 - 22/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
FARROUPILHA

Foto: Prefeitura de Farroupilha/Divulgação

O Governo do Rio Grande do Sul homologou e publicou na noite desta terça-feira (21), o Decreto 57.626/2024 que coloca o município de Farroupilha em situação de emergência em decorrências das fortes chuvas que causaram diversos problemas em estradas, forçou o cancelamento de aulas e colocou o Hospital São Carlos em uma delicada situação.

A Prefeitura havia decretado estado de calamidade no dia 02 de maio, que havia sido homologada pelos governos estadual e federal. Após uma reclassificação, considerando a possibilidade de avaliação dos estragos causados pelas chuvas e contatos com a Casa Civil e reuniões com as coordenações regionais e estaduais da Defesa Civil, houve um novo laudo apontando que o município se enquadra na situação de emergência.

O novo documento foi apresentado ao Estado, que fez a homologação e publicou a decisão do Diário Oficial desta terça-feira (21). Lembrando que na última semana Farroupilha não constava nas listas do Estado de calamidade pública ou emergência.

No município ocorreram interdição de pontes que fazem ligação entre comunidades do interior e rachaduras encontradas na estrada Salto Ventoso, inviabilizando o trânsito de moradores e o escoamento da produção.

Além disso, problemas estruturais no perímetro urbano, como tubulações que cederam, sendo necessária, inclusive, a evacuação de ao menos quatro famílias de suas residências no bairro Nova Vicenza, no último final de semana.

Além disso, o Hospital São Carlos, que é referência para 34 cidades, precisou cancelar todas as consultas e exames eletivos previamente agendados devido ao risco de desabastecimento de insumos essenciais, devido à dificuldade de logística e fornecimento por conta das enchentes que atingem a Região Metropolitana e bloqueios em rodovias estaduais e federais.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp