Custo da cesta básica passa de R$ 1,4 mil no mês de outubro em Caxias do Sul

Dos 47 itens que compõem a cesta, 18 aumentaram de preço. Especialista avalia que variação nos valores é tradicional neste período

Publicado por
15:44 - 07/12/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Custo da cesta básica passa de R$ 1,4 mil no mês de outubro em Caxias do Sul

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil/divulgação

Com alta de 0,24%, o custo da cesta básica atingiu R$ 1.401,11 em Caxias do Sul no mês de outubro. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais (IPES) da Universidade de Caxias do Sul. O valor corresponde a uma elevação de R$ 3,31, superior à variação verificada em setembro, de R$ 3,78. No nono mês do ano, a cesta custava R$ 1.397,81.

O encarecimento tem relação, segundo o estudo, com a variação nos preços dos produtos de alimentação. Dos 47 produtos que compõem a cesta básica, 18 aumentaram de preço, 26 tiveram redução e três permaneceram com os mesmos preços.

Os cinco produtos que mais contribuíram para o aumento foram a cebola, a laranja, a batata inglesa, a coxa de frango e a alface. Já os produtos destacados pela redução foram o feijão preto, a banana, o presunto, o agnoline e o absorvente externo.

O professor e pesquisador do Instituto de Pesquisas Econômica e Social da UCS, Mosár Leandro Ness, chama o efeito de “realinhamento dos preços”.

“É tradicional nessa época do ano a gente sofrer o início de alguma entre safra e, portanto, sazonalmente, os preços acabam se elevando nesse período para alguns alimentos. Entre eles a cebola, que a nossa safra termina e precisamos importar. Outro item que sofreu uma alta, que contribuiu com a elevação dos preços, foi a alface. A alface sofreu um choque de oferta, já que com as chuvas reticentes ocorreu, então, uma quebra na safra, de uma maneira geral. A demanda, então, se manteve, e automaticamente os preços subiram.”, explica o especialista.

O levantamento abrangeu uma amostra de 436 famílias, com renda mensal de um a 30 salários mínimos. Os preços são coletados na última semana de cada mês, considerando os locais de compra e as marcas de produtos mais indicadas pelas famílias entrevistadas.

Em outubro de 2022 o custo total da cesta era de R$ 1.295,07, contra os R$ 1.401,11 atuais, um aumento de R$ 106,04. Ou seja, em doze meses, houve elevação de 8,19% acumulado, que resultou em uma média mensal de 0,658%, de acordo com o IPES. Ainda neste recorte, os produtos alimentares acumulam um aumento de 9,92%. Já os produtos não alimentares apresentaram um crescimento de 0,041% no mesmo período.

Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) indica uma elevação de 0,16% nos preços no mês de outubro de 2023, contra uma alta de 0,04% do mês anterior. Com esse resultado, a variação percentual acumulada do IPC-IPES nos últimos doze meses alcançou 4,72%, correspondendo a um aumento médio mensal no período de 0,38%. Esse resultado é inferior ao do mês de setembro, que registrou um índice acumulado de 5,05%.

Conforme a pesquisa, do total de 320 subitens que compõem a estrutura do IPC, 108 aumentaram de preços. Por outro lado, 129 tiveram seus preços reduzidos e 83 permaneceram com seus preços inalterados.

Para 2024, o professor projeta que os consumidores podem ser beneficiados por uma inflação menor.

“Esperamos que, na próxima sexta, a gente já tenha até uma leve deflação, muito provavelmente porque a política de juros altos do Banco Central vem dando resultado, está freando a inflação. E isso vai chegar também na mesa dos consumidores. À medida que o tempo vai passando, nós vamos tendo incrementos de alta cada vez menores. Então, esperamos que 2024 traga com ele uma inflação menor”, avalia Mosár Ness.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp