Chocha, capenga, manca e anêmica

Leia mais Esportivo empata em casa na estreia da Divisão de Acesso Barco à deriva é encontrado com vários corpos…

Publicado por
13:32 - 06/07/2017

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Chocha, capenga, manca e anêmica.

Os ricos adjetivos usados pelo advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira pra tentar desqualificar a denúncia do procurador-geral Rodrigo Janot contra o temerário presidente Michel Temer mostram mais o desespero da tentativa de desacreditar a acusação do que efetivamente argumentos jurídicos que possam contradizer as provas apresentadas e comprovar a inocência do denunciado.

A verdade é que a defesa apresentada ontem pelo advogado do excelentíssimo senhor primeiro presidente denunciado da história desta república de bananas é mais do mesmo: tenta desacreditar as provas, dizendo que a gravação da conversa com o Joesley safadão sofreu manipulação mesmo depois que a perícia da Polícia Federal comprovou que não, e que o encontro noturno entre o presidente conivente e o bandido confesso foi corriqueiro, normal e insignificante, busca macular os acusadores, afirmando que o procurador Janot denunciou com base em hipóteses e deduções, e procura fazer o mais incauto dos botocudos acreditar que não existem crimes e que o temerário é inocente, probo e dono de uma reputação sem máculas.

Um esforço louvável do veterano e competente do senhor advogado, não fosse por um detalhe nada insignificante: ele não respondeu diretamente a nenhum dos fatos indicados na denúncia, não rebateu ou explicou nenhuma das afirmações do temerário ao safadão, não chegou nem perto de explicar o que o confiável larápio da Rocha Loures fazia com a mala cheia de grana.

Ao contrário. Disse que só se Temer tivesse poderes divinatórios pra imaginar que o safadão fosse um criminoso de colarinho engomado quando até a cancela aberta do Jaburu sabia que ele era investigado em vários processos, escreveu que o presidente estava apenas ouvindo o falatório cansativo do safadão sem interferir na sua narrativa, mesmo que tenha dito ótimo ótimo pros juízes debaixo do braço e recomendado que tem que manter isso de ficar de bem com o presidiário Cunha, e acusou a procuradoria de não demonstrar quem entregou a mala de dinheiro para quem, onde ocorreu o encontro para a entrega, qual o dia e a hora desse encontro e essas coisas tão mais importantes do que o filme que mostra a corridinha e o chip na mala devolvida pelo larápio.

Dá pra acreditar? Cá pra nós, eu acho que chocha, capenga, manca e anêmica é mesmo essa defesa.

Mas a gente não pode esquecer que temer só será processado se a câmara deixar. E, pra isso, a coisa toda vai ter como relator um cara do mesmo partido do presidente e por uma câmara onde um em cada três deputados que já declararam abertamente o voto favorável a temer responde a acusações criminais no próprio STF.

Quer mais? Tem.

O julgamento em plenário da denúncia contra Temer será feito pelos 500 e tantos deputados federais, 312 deles que respondem a pelo menos um inquérito ou ação na justiça comum, eleitoral ou tribunal de contas, e vai ser presidido por Rodrigo Botafogo Maia, genro do todo poderoso e com foro privilegiado angorá Moreira Franco.

Por isso, tudo leva a crer que o temerário será protegido. Afinal de contas, ele ganhou a presidência com a promessa de realizar um dos maiores processos de destruição de direitos experimentados pelo país, porque o pequeno avanço em igualdade dos últimos anos foi demais para a classe dominante brasileira.

E é isso que está em jogo. E exatamente por isso, Temer também pode ser rifado, porque o importante é aprovar esse programa de governo que não foi respaldado pelas urnas, mas decidido por uma pequena mas poderosa parcela da população. E, convenhamos, isso pode ser feito por qualquer um.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp