Alunos de escola municipal em SP enviam cartas e doações para vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Alunos entre 10 e 11 anos da Unidade Municipal de Ensino Jayme João Olcese, em Cubatão, São Paulo, escreveram cartas de incentivo e carinho para as vítimas das devastadoras enchentes no Rio Grande do Sul. As cartas foram enviadas junto a doações de mantimentos e roupas

Publicado por
06:30 - 03/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Arquivo Pessoal

Em um gesto tocante de solidariedade, alunos entre 10 e 11 anos da Unidade Municipal de Ensino Jayme João Olcese, em Cubatão, São Paulo, escreveram cartas de incentivo e carinho para as vítimas das devastadoras enchentes no Rio Grande do Sul. As cartas foram enviadas junto a doações de mantimentos e roupas.

Solidariedade em Meio à Tragédia
Estudantes do 5º ano A e B, sensibilizados pelas notícias da tragédia que deixou mais de 170 mortos no estado gaúcho, se uniram às professoras para encontrar formas de ajudar. Além das cartas e mantimentos, eles produziram e venderam adesivos e artigos de crochê, revertendo os valores em mais doações.

A professora Glaciele Pupo destacou a determinação das crianças, muitas delas vivendo em situação de vulnerabilidade financeira. “Alguns disseram: ‘Professora, não tenho alimentos para doar, pois na minha casa, inclusive, estão faltando, mas posso levar a cartinha’”, relatou. “Eles têm certeza que, de alguma forma, podem contribuir para esse momento tão difícil e desafiador”.

Doações e Cartas
Os mantimentos e cartas foram entregues durante uma visita dos alunos ao Teatro do Kaos, um ponto de arrecadação na cidade. As doações serão enviadas ao Fundo Social de Solidariedade (FSS) de Cubatão, que encaminhará os itens ao Rio Grande do Sul. Até agora, o FSS já recebeu aproximadamente uma tonelada de alimentos, 15 mil litros de água e 10 mil peças de roupas.

As cartas dos alunos foram carregadas de mensagens de apoio e sensibilidade. Uma das estudantes escreveu: “Estamos de joelhos no chão, com fé”. Outra acrescentou: “Vi a situação de vocês. Fiquei muito triste com o que está acontecendo e espero que melhore tudo aí”. E mais uma aluna registrou: “Vi a tragédia da enchente. Estou orando por vocês”.

Humanidade na Educação
A professora Stephanie Monteiro se emocionou com a atitude dos alunos. “Muitas crianças estavam dispostas a dividir o pouco que têm”, disse ela. “A educação precisa de humanidade para acontecer”.

O diretor do Teatro do Kaos, Lourimar Vieira, também se comoveu com as cartas em meio às doações. “Deu um sentimento de tristeza por conta das vítimas e, ao mesmo tempo, alegria por saber que crianças estão preocupadas com seus semelhantes”, afirmou ele.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp