Alerta vermelho: confirmado rompimento da Barragem 14 de Julho entre Bento Gonçalves e Cotiporã

Há o risco iminente de inundações. Saiba mais:

Publicado por
14:17 - 02/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Imagem: Redes sociais

Na tarde desta quinta-feira (2), por volta das 14h, a prefeita de Santa Tereza, Gisele Caumo, compartilhou através de redes sociais a confirmação do rompimento da barragem da Usina Hidrelétrica 14 de Julho, da Companhia Energética Rio das Antas  (CERAN), entre as cidades de Bento Gonçalves e Cotiporã. O risco é altíssimo para inundações ainda maiores em regiões ribeirinhas dos rios das Antas e Taquari.

O fato foi confirmado por meio de nota oficial da CERAN. Além disso, informa que as barragens de Monte Claro e Castro Alves encontram-se em fase de monitoramento.

Durante o vídeo, a prefeita solicita, urgentemente, a saída de moradores das proximidades da barragem e também para os moradores de Santa Tereza e demais cidades do Vale do Taquari.

O prefeito de Bento Gonçalves, Diogo Siqueira, também pede para que famílias que moram nas proximidades do Arroio Burati saiam do local urgentemente. A população da comunidade de São Pedro também devem deixar o local.

As cidades de Santa Tereza, Muçum, Lajeado, e todas as demais que circundam o Rio Taquari deverão receber uma quantidade de água muito grande e repentina já nas próximas horas. Há risco de inundações e a população deve evacuar de locais de risco.

Confira o vídeo da prefeita Gisele Caumo

Confira a íntegra da nota oficial da CERAN

“A Ceran (Companhia Energética Rio das Antas) informa que detectou às 13h40, do dia 2 de maio, o rompimento parcial do trecho direito da barragem da usina 14 de Julho, devido ao contínuo aumento da vazão do Rio das Antas e das fortes chuvas que atingem o estado do Rio Grande do Sul desde terça-feira (30). A Defesa Civil foi comunicada do ocorrido para tomadas de ações adicionais.

O Plano de Ação de Emergência foi colocado em prática no dia 1 de maio, às 13h50, em coordenação com as Defesas Civis da região, com acionamento de sirenes de evacuação da área, para que a população local pudesse ser retirada com antecedência e em segurança.

As barragens de Monte Claro e Castro Alves encontram-se em estado de Atenção e seguem sendo monitoradas. A Ceran segue em contato com as autoridades competentes e ressalta o cuidado com as pessoas. A empresa pede a todos que se informem através dos seus meios de comunicação oficiais. Site: Home – Ceran – Cia Energética Rio das Antas
Instagram: @usinasdaceran”

Estado diz que monitora a situação das barragens

O governo do Estado informou que o rompimento é investigado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), responsável pela barragem, que teria verificado que a estrutura já estava submersa e identificado uma movimentação mais turbulenta da água, possivelmente pelo comprometimento da chamada ombreira direita, uma das laterais onde a barragem está apoiada.

Segundo informações da Secretaria da Casa Civil do Estado, o governo gaúcho já monitorava a possibilidade de rompimento da estrutura. A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) informou que a CERAN já havia acionado, na quarta-feira (1º), o Plano de Ação de Emergência da barragem.

Já a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) monitora, também, as estruturas de outras 13 barragens de usos múltiplos que estão em estado de alerta. Cinco delas já estão em processo de evacuação: Santa Lúcia, em Putinga; São Miguel do Buriti, em Bento Gonçalves; Belo Monte, em Eldorado do Sul; Dal Bó, em Caxias do Sul; e Nova de Espólio de Aldo Malta Dihl, em Glorinha.

A Aneel e o Operador Nacional do Sistema (ONS) acompanham a situação de outras cinco barragens de geração de energia elétrica no Estado que estão em atenção: Capigui, em Passo Fundo; Guarita, em Erval Seco; Herval, Santa Maria do Herval; Passo do Inferno, São Francisco de Paula; e Monte Carlo, entre Bento Gonçalves e Veranópolis.

Local

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp