O PT não é de oferecer a outra face

A propaganda na TV e na rádio nos toma dois períodos de 40 minutos cada. Mas ainda têm as inserções…

Publicado por
13:15 - 16/10/2014

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

A propaganda na TV e na rádio nos toma dois períodos de 40 minutos cada. Mas ainda têm as inserções dos partidos, tem as manchetes de jornais, tem os posts nas redes sociais, tem as revistas semanais, tem a conversa no bar ou no cafezinho. Enfim a eleição de segundo turno toma nossos pensamentos. Difícil ficar neutro,


A situação está realmente, por demais polarizada. As pessoas reclamam dos ataques que as candidaturas do Pt fazem aos seus adversários. Na segunda-feira, por exemplo, constatei que dos dez minutos que o programa da candidata Dilma Rousseff dispunha, seis foram utilizados para atacar o seu adversário, Aécio Neves. Aqui no Rio Grande do Sul o candidato do PMDB José Ivo Sartori faz a apologia da não violência enquanto o PT e Tarso criaram a figura do Lembrador, o cara que tenta desconstruir Sartori lembrando as práticas de seu partido e dos antecessores Britto e Rigotto.


É isto Sartori vem de gringo bonachão, Tarso de alguém que só ataca. Mas há algo que precisa ser pontuado: o PT praticamente só dispõe do seu tempo garantido pela lei eleitoral para fazer sua propaganda e as acusações aos seus adversários. Já especificamente falando de Dilma Rousseff, existe um verdadeiro massacre midiático em curso e não estou me apropriando do discurso petista.

 

Acompanho eleições desde os tempos da ditadura, quando Paulo Brossard ousava desafiar a censura e os militares e juntamente com Pedro Simon ele colocava o Rio Grande do Sul na linha de frente de resistência á ditadura. Raramente se terá visto tanta mídia espontânea contra uma candidatura. A revista Veja, para ficar apenas num exemplo mais patente, de suas últimas capas dedicou três a Aécio ou Marina e a apenas uma, pejorativa, à Presidente Dilma.


Então não dá pra ficar demonizando um lado por atacar e outro por praticar a doutrina de Gandhi na não violência. É preciso ter um certo distanciamento e deduzir que numa guerra normalmente não há inocentes e, sim, a verdade é a primeira vítima. Junto com a verdade os eleitores que estão jogados aos leões e a esta luta de contrainformação.


O mundo se transforma. Lula conseguiu se eleger pela primeira vez quando, por orientação de seus gurus do marketing assumiu a postura ”Lulinha paz e amor” e de lá para cá ficou convencionado que candidato que bate não tem a simpatia do eleitor. Pois esta eleição está derrubando este mito.O PT sobrevive porque bate e bate por duas razões: está no seu gene e tem apanhado muito. Não tem vocação para oferecer a outra face.
 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp