Júri condena ‘Carioca’ a 15 anos de prisão

Alexandre Augusto Kuling de Bragança Soares de Souza, também conhecido como Carioca, foi condenado a 15 anos de prisão em…

Publicado por
12:17 - 10/03/2014

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Alexandre Augusto Kuling de Bragança Soares de Souza, também conhecido como Carioca, foi condenado a 15 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato cruel de Caroline Ducatti, ocorrido em 2005. O Tribunal do Júri afastou a tese da defesa e acatou integralmente a acusação do Ministério Público, condenando o réu por homicídio qualificado com uso de meio cruel. A sessão durou cerca de 13 horas, e Carioca não terá direito a recorrer em liberdade. Ele vai cumprir a pena no Presídio Estadual de Bento Gonçalves.

 

A sessão iniciou por volta das 8 horas em Garibaldi. A jovem Caroline Ducatti foi assassinada em 2005, aos 23 anos por Alexandre Augusto Kuling de Bragança Soares de Souza, também conhecido como Carioca. Ele foi acusado de homicídio qualificado pelo emprego de meio cruel. Familiares de Caroline estiveram presentes no Forum com camisetas com a foto da vítima e pedem por Justiça.

 

Carioca chegou a permanecer preso até janeiro de 2006, quando, a pedido da Defesa, foi transferido ao Instituto Psiquiátrico Forense (IPF), em Porto Alegre, onde permaneceu até novembro de 2006. Desde então ele aguarda o julgamento em liberdade.

 

Durante a manhã, foram ouvidos dois psiquiatras que atenderam Carioca e ainda o médico plantonista que atendeu o réu após uma suposta tentativa de suicidio. A defesa sustenta que Carioca teve surto psicótico causado por ingestão de medicamentos, maconha e álcool, enquanto que o MP pede a condeção por homicídio qualificado pelo uso de meio cruel.

 

O crime aconteceu em 15 de setembro de 2005, no apartamento de Carioca em Garibaldi. Na ocasião, ele matou Caroline com 18 facadas e desferiu golpes contra o próprio braço. O crime ocorreu entre 1h30min e 3h30min. O assassinato foi constatado quando um vizinho viu sangue pingando do apartamento de cima. Foi quando a Brigada foi chamada e constatou o crime.

 

"(Foto:

"Familiares

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp