Somente 18% dos homens brasileiros com mais de 50 anos já foram ao urologista

O diagnóstico precoce pode reduzir em até 40% as chances de morte por câncer de próstata, se tratado corretamente

Publicado por
08:45 - 29/12/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Somente 18% dos homens brasileiros com mais de 50 anos já foram ao urologista

Foto: Reprodução

Apenas 18% dos homens com mais de 50 anos já foram ao urologista, segundo estudo da Conexa, ecossistema digital de saúde integral. O levantamento, utilizando sua base de dados, buscou descobrir se os homens acima de 50 anos cuidam da saúde masculina. Do total de 10.835 pacientes elegíveis no Brasil (que tem recomendação para fazer consultas e exames preventivos), menos de 2.160 tiveram contato com um urologista após a idade recomendada.

“Este baixo número de consultas confirma o que percebemos no dia a dia: ainda há muito preconceito dos homens em relação ao exame de toque retal que é feito durante o atendimento a pacientes elegíveis”, disse Renata Alves Corrêa, urologista da Conexa.

O PSA, avaliação também utilizada para rastrear um possível câncer de próstata, é mais ‘popular’ entre esse público, segundo o estudo. Ela é mensurada por meio de enzima medida no sangue que, se passar de um certo limite estabelecido pelos especialistas, pode indicar que algo está errado. A pesquisa apontou também que 45% dos homens, com indicação de avaliação preventiva, fizeram esse exame sanguíneo.

“O PSA e o toque retal são procedimentos complementares e devem ser realizados anualmente; uma ou outra alteração da próstata pode ser detectada com o exame do urologista que não, necessariamente, vai aparecer na avaliação do sangue”, afirmou Renata. “Neste caso, o médico, ao notar algo fora da normalidade, investiga de forma mais apurada com pedidos e análises de uma biopsia ou ressonância, por exemplo”, complementa.

Esse estudo, o qual apontou um cuidado menor dos homens em relação à saúde masculina, foi feito por meio da plataforma de Health Analytics da startup. A tecnologia implementada pela Conexa dá suporte para fazer análise de dados de parte da população do sistema suplementar de saúde. Por meio de informações comportamentais relevantes de pacientes é possível subsidiar empresas e médicos nas tomadas de decisão, por meio de elaboração de protocolos padrão.

A recomendação dos especialistas é de que os exames preventivos sejam feitos a partir dos 45 anos para as pessoas que já têm histórico na família e de 50 em diante para o restante da população masculina. ”O rastreamento precoce reduz em até 40% as chances de morte por câncer de próstata”, ressalta a urologista.

Fonte: Jornal O Sul

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp