RS voltará a ter dias mais chuvosos a partir do próximo final de semana, aponta MetSul

Chuva será generalizada, mas não na magnitude do que ocorreu em maio

Publicado por
16:34 - 09/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Mauro Schaefer

A chuva vai retornar ao Rio Grande do Sul de forma mais generalizada a partir do próximo fim de semana, mas o cenário de precipitação que se esboça pelos dados de hoje é diferente daquele que se viu no fim de abril e no começo de maio, quando volumes absurdamente altos levaram a enchentes com gravidade jamais vista. As informações são da meteorologista Estael Sias, da MetSul.

Felizmente, o retorno da chuva com maior frequência que se projeta para a segunda metade deste mês ocorre na sequência de uma primeira quinzena de junho marcada por pouca chuva em quase todo o Rio Grande do Sul, o que permitiu o recuo dos níveis dos rios e também do Guaíba em Porto Alegre.

A semana que se inicia será quase toda marcada ainda pela predomínio do tempo firme com dias de sol e nuvens, mantendo o padrão atmosférico observado até agora nesta primeira metade do mês. Não há previsão de chuva para a esmagadora maioria dos dias desta semana em quase todos os municípios do Rio Grande do Sul.

Nesta segunda e na terça, no Leste gaúcho, pode ocorrer instabilidade muito isolada e com baixos volumes, mas em poucos locais. A tendência é a chuva retornar para a maioria das regiões do Rio Grande do Sul no fim de semana que vem, entre os dias 15 e 16.

O que preocupa não é o que se antevê para os dias 15 a 17, e que tanta atenção tem merecido, mas a tendência de a segunda metade do mês ser mais chuvosa. Com efeito, é o médio prazo que exige maior atenção.

Muitos registros de chuva
A chuva não vai se limitar ao período de 15 a 17 de junho e a segunda quinzena do mês terá muitos dias com registro de precipitação, alguns com acumulados elevados em parte do estado, prevê a MetSul Meteorologia.

Os modelos, em geral, indicam precipitação na maioria das cidades do estado entre 50 mm e 100 mm no período e que vai se concentrar entre os dias 15 e 19. Os dados de hoje sugerem acumulados superiores a 100 mm, que são altos, sobretudo para a Metade Oeste.

O que os mapas mostram é que o período entre 15 e 25 de julho será de chuva acima da média e mesmo muito acima da média em parte no Rio Grande do Sul. Nos últimos dias de junho, a precipitação ficaria perto ou acima da média no estado. Na primeira metade do mês de julho, a chuva se situaria ao redor das médias históricas, embora somente mais a curto prazo a precisão de prognóstico seja maior.

Uma nova realidade no RS

A realidade mudou depois das enchentes do mês de maio e estamos sob um quadro que difere daquele de antes de 40 dias atrás. Os impactos da chuva nas cidades e nos rios hoje podem ser diferentes do que normalmente estamos acostumados e que ao longo de anos de trabalho construímos parâmetros de previsão e impactos para a população.

As enchentes, conforme análises preliminares e relatos de quem está habituado com navegação, trouxe grande quantidade de sedimentos e terra. O delta do Jacuí e o Guaíba tiveram grande assoreamento, assim como provavelmente outros rios que passaram por grandes cheias como o Taquari, Caí e Sinos, o que aliás já estava agravado pelas cheias do segundo semestre do ano passado.

Assim, chuva mais volumosa, como que se prevê para a segunda metade do mês, pode ter efeitos diversos daqueles que ocorreriam antes das enchentes. Em outras palavras, os rios podem subir mais em alguns pontos que subiriam se não tivesse ocorridos as cheias dos últimos nove meses.

Outra realidade que mudou é a da macrodrenagem urbana. Em Porto Alegre e outras cidades afetadas por inundações, grande quantidade de lixo e lama adentrou as redes de esgotos. Com isso, a capacidade de drenagem está reduzida em relação ao que se via antes da enchente.

Logo, ruas que não alagavam com uma chuva diária, por exemplo, de 50 mm agora talvez alaguem e ruas que alagavam podem ter alagamento maior. Igualmente, arroios que cortam Porto Alegre e outras cidades da região metropolitana podem alagar com maior facilidade do que ocorria antes da grande enchente.

cenário

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp