Governo Estadual lança plataforma de mapeamento de áreas atingidas pelas chuvas

O Mapa Único do Plano Rio Grande (MUP) é uma estratégia de mapeamento a partir de imagens de satélite que está otimizando o direcionamento de políticas públicas formuladas em razão das enchentes que assolaram o Rio Grande do Sul

Publicado por
17:51 - 30/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Ascom SPGG

Nesta quinta-feira (30/5), o governador Eduardo Leite anunciou o lançamento do Mapa Único do Plano Rio Grande (MUP), uma ferramenta estratégica de mapeamento com imagens de satélite destinada a otimizar políticas públicas em resposta às recentes enchentes no Rio Grande do Sul. Desenvolvido pela Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), o MUP é um Sistema Único e Integrado de Mapeamento das Áreas Diretamente Atingidas, parte do Plano Rio Grande.

Objetivos e Funcionalidades

O MUP visa:

  • Identificar e quantificar endereços, vias, domicílios, empresas, equipamentos públicos e a população afetada pelas enchentes.
  • Orientar ações e políticas públicas de maneira eficaz e rápida.
  • Facilitar a alocação de recursos através de um mapeamento preciso das áreas atingidas.

Conforme o governador Leite, “o mapa nos dá condições de termos o ‘dedo no pulso’. É fundamental que tenhamos esse mapeamento dos danos causados pela enchente porque isso nos ajuda a nortear as políticas públicas de maneira eficaz”.

Métodos e Dados Coletados

Utilizando imagens de satélite de alta resolução, o MUP mapeia áreas afetadas por inundação, enxurrada e deslizamentos. As informações coletadas são cruzadas com diversas bases de dados, como o Censo Demográfico, o Cadastro Único (CadÚnico), e registros de órgãos estaduais nas áreas de Assistência Social, Saúde, Educação e Segurança.

Até agora, o mapeamento e georreferenciamento de 262 municípios gaúchos revelou:

  • 283 mil domicílios particulares atingidos, afetando 597 mil pessoas.
  • 233 mil pessoas cadastradas no CadÚnico, correspondendo a 106 mil famílias.
  • 116 mil empresas diretamente atingidas.
  • Danos a 98 escolas estaduais, 175 escolas municipais, nove hospitais e 99 Unidades Básicas de Saúde.

Além disso, nos 78 municípios que decretaram estado de calamidade, 12% da malha viária urbana está dentro das áreas diretamente atingidas.

Aplicações e Benefícios

O MUP já está sendo utilizado para direcionar recursos de forma mais precisa e célere:

  • Programa Volta por Cima: Identificação de 45 mil famílias pobres e extremamente pobres, cada uma recebendo R$ 2,5 mil através do Cartão Cidadão.
  • Campanha SOS Rio Grande do Sul: Distribuição de doações para 25 mil famílias de baixa renda, cada uma recebendo R$ 2 mil.

Outras políticas públicas, especialmente nas áreas de habitação e uso do solo, também estão sendo guiadas pelo mapeamento das áreas atingidas.

Futuro do MUP

Uma plataforma de consulta dos dados do MUP está em desenvolvimento para uso interno do governo, com uma versão pública a ser disponibilizada em breve.

 

As imagens de satélite são utilizadas para delimitar a Área Diretamente Atingida | Foto: Divulgação / SPGG

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp