Dragagem emergencial no Porto do Rio Grande é iniciada após enchentes

Trabalhos de dragagem começaram na quarta-feira (3) e estão sendo realizados pela draga Galileo Galilei, parte da frota da empresa Jan de Nul

Publicado por
07:30 - 05/07/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Dragagem emergencial

Foto: Divulgação

A empresa pública Portos RS, responsável por administrar todo o sistema hidroportuário do Rio Grande do Sul, iniciou a dragagem emergencial do trecho mais crítico do canal de acesso ao Porto do Rio Grande, localizado na área externa aos Molhes da Barra, no Litoral Sul gaúcho.

Os trabalhos de dragagem começaram na quarta-feira (3) e estão sendo realizados pela draga Galileo Galilei, parte da frota da empresa Jan de Nul. A operação está sendo executada a partir de um contrato entre a autoridade portuária e a empresa Van Oord Serviços de Operações Marítimas.

Segundo Lucas Meurer, diretor de infraestrutura da Portos RS, serão investidos R$ 21,5 milhões para a remoção de 593 mil metros cúbicos de sedimentos. A previsão é que o serviço seja concluído em até 20 dias. A quantidade de sedimentos a ser removida foi determinada por uma batimetria realizada em maio, após um incidente envolvendo uma embarcação.

As enchentes históricas contribuíram significativamente para o assoreamento da hidrovia e do canal de acesso ao Porto do Rio Grande, um dos mais importantes da América do Sul. No entanto, a obra atual abrange apenas um trecho de aproximadamente três quilômetros. Uma dragagem mais ampla será necessária para restabelecer as profundidades adequadas em todo o canal.

Portos RS está buscando, junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (DNIT), uma alternativa para a realização da dragagem mais extensa. Em uma reunião recente, o DNIT comprometeu-se a desenvolver o projeto e encaminhá-lo ao Ministério de Portos e Aeroportos após receber os dados de batimetria, o volume a ser dragado e os custos envolvidos.

“A Portos RS tem buscado, junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (DNIT), uma alternativa para a realização da obra. Em reunião recente, o órgão federal se comprometeu a realizar o desenvolvimento do projeto e encaminhá-lo ao Ministério de Portos e Aeroportos após o recebimento dos dados de batimetria, do volume a ser dragado e dos custos da dragagem”, informou a estatal.

A dragagem do canal de acesso ao Porto do Rio Grande é crucial para manter a navegabilidade e a operação eficiente do porto, que é um ponto estratégico para o comércio exterior do Brasil. A remoção dos sedimentos acumulados permitirá o trânsito seguro de embarcações, evitando futuros incidentes e garantindo a continuidade das operações portuárias.

Dragagem emergencial

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp