Você sabe qual é a diferença entre trajeto e trajetória do projétil de arma de fogo?

Seria bem fácil só responder que “Trajeto” é o percurso do projétil dentro do corpo da vítima e que “Trajetória” é o percurso do projétil fora do corpo do ofendido

Colunista
Advogada e Professora. (espaço de coluna cedido à opinião do autor)
14:00 - 07/03/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Seria bem fácil só responder que “Trajeto” é o percurso do projétil dentro do corpo da vítima e que “Trajetória” é o percurso do projétil fora do corpo do ofendido.

Mas isso é pouco. Há muito mais para saber sobre esses conceitos para o proveito adequado dessas informações.

Primeiro que são conceitos que nos são dados por Ciências distintas: o percurso do projétil dentro do corpo da vítima é algo que a Medicina Legal irá responder.

Normalmente, ela tem por objeto um corpo morto que, aberto e perscrutado, permite ao Médico Legista observar e concluir por onde o projétil penetrou, que caminhos ele fez e se saiu ou se alojou em um lugar ainda dentro do corpo, sendo que o trajeto depende de uma série de circunstâncias, inclusive das peculiaridades do próprio projétil. Por esse exame, é possível saber, por exemplo, quais das lesões produzidas constituíram a causa da morte e por quê.

E as lesões produzidas por projetis de arma de fogo no corpo da vítima, nomeadamente, as lesões de entrada e de saída, irão, por sua vez, subsidiar a identificação da trajetória do projétil, isto é, se o tiro foi percutido de perto, de longe, de lado, de cima para baixo, de baixo para cima, à longa ou à curta distância, ou se foi dado à queima-roupa ou encostado, tudo apoiado em uma Ciência denominada “Balística”.

Isso porque o projétil de arma de fogo é um instrumento perfuro-contundente da pele (que é elástica), nela produzindo (porque impulsionado por energia cinética) lesões perfuro-contusas, porquanto o projétil tem ponta e perfura.

Então, a “Balística” se soma à Medicina Legal para elucidar um homicídio; ela é o ramo da “Mecânica” que estuda a arma em si e os projéteis, assim como os mecanismos do disparo e do tiro, sobretudo, as particularidades da termoquímica e da termodinâmica implicadas neste mecanismo, o percurso do projétil até o alvo (trajetória), os movimentos que o projétil realiza durante este percurso (translação), os efeitos no alvo e demais consequências quando ultrapassar.

Embora não seja possível aprofundar aqui esse conhecimento, importante ainda é registrar que ela está dividida em Balística interna (na arma); a Balística externa (a trajetória); a Balística dos efeitos ou terminal (no alvo – as lesões e o trajeto); e, finalmente, a Balística subsequente (quando atravessa o alvo).

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp