Rio Grande do Sul registra quatro mortes por leptospirose em decorrência das enchentes

Óbitos foram registrados em Travesseiro, Venâncio Aires, Cachoeirinha e Porto Alegre. População deve procurar serviço de saúde logo nos primeiros sintomas

Publicado por
11:52 - 24/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Rio Grande do Sul registra quatro mortes por leptospirose em decorrência das enchentes

Foto: Rafa Neddermeyer/ Agência Brasil

A Secretaria da Saúde (SES) confirmou, nesta quinta-feira (23), o terceiro e o quarto óbitos por leptospirose relacionados às enchentes no Rio Grande do Sul. Os registros referem-se a dois homens, de 56 e 50 anos, moradores de Cachoeirinha e Porto Alegre, respectivamente.

A leptospirose é uma doença infecciosa febril aguda e transmitida a partir da exposição direta ou indireta à urina de animais (principalmente ratos) infectados, que pode vir a estar presente na água ou lama em locais com enchente. Neste mês, já foram confirmados 54 casos da doença.

O óbito do residente de Cachoeirinha ocorreu em 19 de maio. A morte do morador da capital ocorreu em 18 de maio. Os outros dois óbitos registados no Estado relacionados a este período de enchentes aconteceram em residentes de Venâncio Aires e Travesseiro.

Mesmo que a leptospirose seja uma doença endêmica, com circulação sistemática, episódios como alagamentos aumentam a chance de infecção. Por isso, é importante que a população procure um serviço de saúde logo nos primeiros sintomas: febre, dor de cabeça, fraqueza, dores no corpo (em especial, na panturrilha) e calafrios.

O contágio pode ocorrer a partir do contato da pele com água contaminada, além de mucosas. Os sintomas surgem normalmente de cinco a 14 dias após a contaminação, podendo chegar a 30 dias.

Outros casos e óbitos já haviam sido registrados antes do período de calamidade pública enfrentado pelo Rio Grande do Sul. De acordo com dados do Ministério da Saúde, em 2024, até 19 de abril, ocorreram 129 casos e seis óbitos. Em 2023, foram 477 casos com 25 óbitos.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp