Dnit vai duplicar a BR-116 no trecho da ‘Rota Romântica’ no Vale do Sinos

Trecho entre Dois Irmãos e Estância Velha, que compreende 18km, é considerado crítico e diversos acidentes com mortes já foram registrados

Publicado por
16:23 - 18/04/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Sabrina Schuster

As obras da terceira pista na BR-116 entre Porto Alegre e Novo Hamburgo estão longe de terminar, mas o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já se mobiliza para dar continuidade às melhorias de mobilidade na rodovia federal que cruza o Vale do Sinos.

A estrada será duplicada entre os municípios de Estância Velha e Dois Irmãos. Esse trecho de 18 quilômetros atualmente, tem pista simples e sem separação física nos dois sentidos.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira (17), durante visita do superintendente regional Hiratan Pinheiro da Silva. Ele esteve no canteiro de obras do acesso simplificado aos bairros Rincão Gaúcho e Roselândia, entre Estância Velha e Novo Hamburgo, conhecido como “Trecho da morte”, devido à série de acidentes no local. E confirmou que os trabalhos seguirão na direção norte.

A primeira barreira que precisa ser vencida para que a obra rumo à Serra saia do papel é a elaboração do projeto de duplicação. O Dnit já tem um pré-projeto pronto para a continuidade da duplicação da 116. É este plano funcional que servirá de base para licitar a obra: além de ampliar o número de faixas em ambos os sentidos da rodovia, o Dnit prevê a construção de, pelo menos, quatro novos viadutos nestes 18 quilômetros.

Solução para o chamado ‘Trecho da Morte’

A visita do superintendente regional do Dnit ao Vale do Sinos foi organizada pelo vereador hamburguense Enio Brizola (PT), por intermédio do deputado estadual Adão Pretto Filho (PT), para fiscalizar a execução do novo acesso ao Rincão Gaúcho e à Roselândia.

Iniciada no final de janeiro, a primeira obra emergencial na área conhecida como Trecho da Morte pode ser concluída antes do final de junho, como previsto. O engenheiro civil Carlos Alberto Garcia Vieira, chefe da unidade local do Dnit em São Leopoldo, ficou satisfeito com o andamento dos trabalhos.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp