GAECO/MP revista presídios de Caxias do Sul em busca de provas contra organização criminosa com base na Serra Gaúcha

Na terceira etapa da Operação Contas Abertas, os agentes buscaram telefones celulares e documentos, que serão analisados e usados como provas contra os suspeitos

Publicado por
10:41 - 20/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Divulgação/MP

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio Grande do Sul (GAECO/MPRS) realizou nesta quinta-feira, 20 de junho, em Caxias do Sul, a terceira etapa da Operação Contas Abertas. Com apoio do Grupo de Intervenção Rápida da Superintendência dos Serviços Penitenciários (GIR/SUSEPE), ocorreu uma revista na Penitenciária Regional e outra no Presídio Regional do município.

A finalidade foi apreender telefones celulares e documentos, que serão analisados e usados como provas, em uma investigação sobre tráfico de armas e drogas, além de lavagem de dinheiro, cometidos por uma organização criminosa que tem base na Serra. De acordo com o GAECO, pelo menos três integrantes do grupo atuavam de dentro da cadeia em Caxias do Sul. Mandados de prisão foram cumpridos contra os suspeitos.

Na última segunda-feira, dia 17, foram cumpridos mandados de busca e um de prisão no Presídio Regional de Pelotas. Já na semana passada, no dia 14, cerca de 400 agentes cumpriram mais de 20 mandados de prisão, bem como outros de busca e ainda de bloqueio de contas bancárias na primeira fase da operação. A maioria das ações ocorreu em Bento Gonçalves.

O coordenador do GAECO no Estado, promotor de Justiça André Dal Molin, ressalta que o grupo continua agindo na região da Serra, com foco na facção investigada, que também age dentro de estabelecimentos prisionais de Caxias do Sul, assim como em outros pontos do Estado e ainda com ramificações fora do Rio Grande do Sul.

O responsável pela investigação e coordenador do 5° Núcleo do GAECO – Serra, promotor de Justiça Manoel Antunes, informa que após esta revista, a próxima fase é o encaminhamento das denúncias dos envolvidos em vários crimes”.

Itens apreendidos

Nesta quinta, foram apreendidos 41 aparelhos celulares com carregadores e chips, entre outros acessórios eletrônicos, 95 gramas de substância semelhante a cocaína, 66 gramas de substância semelhante a maconha, 168 comprimidos de droga sintéticas, 16 litros de bebida alcoólica, 20 armas brancas, em torno de R$ 5,5 mil em espécie, além de anotações. O material será analisado e utilizado como prova no processo.

Etapas da operação

A etapa mais recente da Operação Contas Abertas ocorreu há três dias no Presídio Regional de Pelotas e foi coordenada pelo promotor de Justiça Rogério Meirelles Caldas, do 10° Núcleo do GAECO – Sul. Foram apreendidos dois celulares e outros materiais ilícitos durante revista pontual na cela de um alvo que estava na casa prisional do município devido à medida judicial após afastamento dele de presídio da Serra. Este apenado teve um mandado de prisão preventiva cumprido contra o acusado.

Já a primeira fase foi deflagrada na sexta-feira passada (14), também foi coordenada pelo promotor de Justiça Manoel Antunes. Na ocasião, houve 26 prisões, 25 veículos e cinco imóveis apreendidos judicialmente, além do bloqueio de 274 contas bancárias.

Cerca de 400 agentes cumpriram as ordens judiciais, incluindo cerca de 50 mandados de busca, em Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, São Valentim do Sul, Guaporé e Barros Cassal, além de outros em Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. Também ocorreu uma revista geral na Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves e cumprimento de mandado judicial na Penitenciária Federal de Campo Grande, onde se encontra o líder do esquema criminoso.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp