Prefeitura de Caxias do Sul utiliza drone como ferramenta no combate à dengue

Prefeito Adiló Didomenico enfatizou que o drone serve para identificar locais que podem passar despercebidos pela fiscalização e pelos moradores, como calhas e caixas d’água

Publicado por
18:19 - 21/02/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Prefeitura de Caxias do Sul utiliza drone como ferramenta no combate à dengue. (Foto: Ícaro de Campos / Divulgação)

Prefeitura de Caxias do Sul utiliza drone como ferramenta no combate à dengue. (Foto: Ícaro de Campos / Divulgação)

A Prefeitura de Caxias do Sul deu início, nesta quarta-feira (21), a uma nova estratégia no combate à dengue, incorporando o uso de drones para identificar áreas propícias à proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença. A ação piloto teve lugar no bairro Dezorzi, onde um caso de dengue foi registrado recentemente, buscando reforçar as medidas de controle e prevenção.

A iniciativa é resultado de uma parceria entre as Secretarias da Saúde e de Segurança Pública e Proteção Social, em colaboração com a Guarda Municipal (GM). O diretor técnico da Vigilância Ambiental em Saúde, Rogério Poletto, explicou que as imagens capturadas pelos drones durante a operação serão analisadas. Caso se identifiquem locais com acúmulo de água parada, os agentes de combate às endemias serão direcionados para realizar inspeções e ações preventivas na região.

Foi uma experiência inicial positiva, que possivelmente poderá ser utilizada em outras ações pontuais de reforço ao nosso trabalho“, destacou Poletto. Ele ressaltou que, apesar da introdução dessa nova ferramenta, o serviço de rotina continuará, incluindo visitas domiciliares, atendimento a denúncias, monitoramento de pontos estratégicos e ações de controle em casos suspeitos ou confirmados de dengue.

O prefeito Adiló Didomenico acompanhou de perto a ação e enfatizou a importância do engajamento coletivo no combate à doença. Ele salientou que o drone é uma ferramenta valiosa para identificar locais que podem passar despercebidos pela fiscalização e pelos moradores, como calhas e caixas d’água.

“Essa é uma luta coletiva em que nós todos precisamos ajudar, moradores, prefeitura, e o drone está sendo utilizado para tentar identificar pontos que por vezes fogem do olhar da nossa fiscalização. Nós precisamos que a comunidade se engaje nesse combate. Qualquer tampinha, qualquer copo jogado na natureza que deposite água limpa é uma forte ameaça de se tornar um criadouro para esse mosquito”, apontou o prefeito.

Até o momento, Caxias do Sul registrou 134 focos do mosquito Aedes aegypti, todos identificados e bloqueados. No ano de 2024, foram confirmados três casos autóctones de dengue, contraídos na cidade, e 13 casos importados, nos quais as pessoas viajaram e retornaram doentes.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp