Com tarifa mais cara em 2024, transporte público de Bento Gonçalves recebe críticas dos usuários

Além do impacto financeiro, a população expressa insatisfação em relação ao estado de algumas paradas e a lotação dos ônibus

Publicado por
10:15 - 12/01/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Com tarifa mais cara em 2024, transporte público de Bento Gonçalves sofre críticas dos usuários

Foto: Patrick Alessi/Grupo RSCOM

Desde o dia 1º de janeiro de 2024, a tarifa do transporte público urbano em Bento Gonçalves está saindo mais cara para o bolso dos usuários. O valor, que permaneceu em R$ 5 até o término de 2023, foi reajustado para R$ 6.

O aumento foi justificado pela prefeitura de Bento Gonçalves devido ao término do subsídio do transporte público. Em comunicado oficial, a administração municipal explicou: “Em virtude do encerramento da vigência do subsídio do transporte público, o valor da passagem retorna para os R$ 6,00. Os valores das linhas para os distritos também serão reajustados, mas o preço variará conforme o itinerário.” Além disso, a prefeitura destacou que as cargas nos cartões de crédito do sistema de transporte terão validade de 30 dias.

Contudo, além do impacto financeiro, a população expressa insatisfação em relação ao estado de algumas paradas de ônibus, muitas das quais estão danificadas ou mal conservadas. Outra fonte de descontentamento entre os usuários é a lotação dos ônibus nos horários de pico. Por vezes, especialmente no início da manhã e no final da tarde, os ônibus operam com capacidade total, obrigando até mesmo idosos a permanecerem em pé.

 

Parada de ônibus no bairro Ouro Verde. Foto: Patrick Alessi/Grupo RSCOM

 

Questionado pela reportagem do Grupo RSCOM sobre a possibilidade de um novo subsídio para reduzir o valor das passagens, o Secretário de Gestão Integrada e Mobilidade Urbana, Henrique Nuncio, afirmou: “Estamos avaliando alternativas, e acompanhando os movimentos junto ao Governo Federal quanto ao subsídio do transporte das pessoas idosas”.

Quanto à conservação das paradas de ônibus, Henrique esclareceu que é um serviço constantemente realizado nas existentes, e, quando necessário, são implantadas novas estruturas.

Já sobre a viabilidade de a empresa de transportes oferecer mais horários ou itinerários, o secretário enfatizou que “cada caso é analisado, uma vez que, para não encarecer a tarifa geral do transporte, a inclusão de uma nova linha deve ser economicamente viável, evitando um desequilíbrio financeiro no contrato.”

Por fim, Henrique Nuncio destacou que a Secretaria de Gestão Integrada e Mobilidade Urbana (SEGIMU) trabalha para tornar o modal mais atrativo, visando aumentar o número de usuários.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp