Após deslizamentos, Serviço Geológico do Brasil sugere monitoramento constante em Gramado

Mais de 40 mil pessoas que vivem na cidade, além de turistas e trabalhadores, poderão ser beneficiados com as ações propostas

Publicado por
14:07 - 07/12/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Após deslizamentos, Serviço Geológico do Brasil sugere monitoramento constante em Gramado

Foto: SGB

O Serviço Geológico do Brasil (SGB) – empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME) – publicou, nesta quinta-feira (7), o Relatório de Avaliação Técnica Pós-Desastres de Gramado (RS). No relatório, o SGB sugere uma série de ações para reduzir os impactos dos deslizamentos e rastejos que afetaram o município em novembro, após fortes chuvas na região da Serra Gaúcha.

Entre as principais medidas sugeridas no relatório, está o monitoramento permanente de áreas afetadas, obras estruturantes e estudos complementares para orientar o planejamento urbano. Mais de 40 mil pessoas que vivem na cidade, além de turistas e trabalhadores, poderão ser beneficiados com as ações propostas.

O estudo realizado entre 22 e 23 de novembro, em atendimento à solicitação feita pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Gramado, integra uma série de ações que o SGB desenvolve em todo o país para contribuir com ações de planejamento territorial e prevenção a desastres. A análise teve, como foco, áreas afetadas pelos eventos geológicos no dia 18 de novembro (e indicadas previamente pela prefeitura), na Rua Ladeira das Azaleias e na Estrada da Pedreira, no Bairro Três Pinheiros; e na Rua Augusto Orlandi, no Bairro Loteamento Orlandi.

Localização dos pontos vistoriados no município de Gramado (RS) – Ponto 1: Rua das Azaleias; Ponto 2: Estrada da Pedreira e Ponto 3: Loteamento Orlandi

Dos dias 11 a 18 de novembro, o volume acumulado de chuvas alcançou cerca de 291 mm, montante que corresponde a mais que o dobro da média histórica de chuvas do mês de novembro, que é 144,5 mm. Somente no sábado (18), choveu 98 mm, volume que representa 67% da quantidade média de chuvas para o mês, indica o relatório do SGB, com base nos dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

As causas

“A partir da avaliação feita em campo pelos pesquisadores que estiveram no local, é possível indicar que dois dos eventos (nas ruas Ladeira das Azaleias e Augusto Orlandi) foram caracterizados por rastejos – movimentos extremamente lentos do terreno –, e o outro (na Estrada Pedreira) foi um movimento mais rápido, do tipo deslizamento. As causas estão relacionadas ao somatório das condições geológicas e geotécnicas da região, alinhadas às fortes chuvas que atingiram a área no mês de novembro”, explica o coordenador-executivo do Departamento de Gestão Territorial do SGB, Julio Cesar Lana.

Entenda os movimentos de massa que atingiram o município

O rastejo é um movimento de difícil previsibilidade, que pode ocorrer em áreas planas, e é caracterizado pelo movimento lento do solo. Pode ocorrer de forma sazonal ou contínua. Esse movimento se manifesta a partir de trincas e deformações em superfície.

O deslizamento é um fenômeno rápido, caracterizado pelo movimento descendente do solo em encostas íngremes.

Foto: SGB

Ações preventivas

Diante do cenário, o SGB sugere medidas que podem ser adotadas pelo poder público local para reduzir o impacto de eventos geológicos, evitar que os casos evoluam e prevenir novas ocorrências. Uma das ações é o monitoramento contínuo da região, principalmente nos períodos de chuvas intensas.

A população também precisa ser orientada quanto à possibilidade de ocorrência dos fenômenos e saber como agir para identificar sinais. Alguns indícios de alerta após chuvas são: deformações no solo, nas casas ou cercas; inclinação de postes e árvores; ou trincas no asfalto.

Para garantir a segurança da população, o SGB recomenda que se espere o período de estiagem para o retorno da população às residências localizadas no entorno de áreas críticas. Outra sugestão é a criação de rota segura das ruas do Bairro Três Pinheiros para evitar a Estrada da Pedreira por hora, até que seja feita uma avaliação geotécnica por profissional habilitado dos taludes neste ponto da estrada.

O SGB também recomenda avaliar a possibilidade e viabilidade de execução de obras estruturais, como a contenção de encostas, e obras de drenagem pluvial para reduzir os impactos de eventos hidrológicos. O coordenador-executivo do DEGET explica que grande parte dos movimentos de massa – como deslizamentos, rastejo e fluxo de detritos – são deflagrados pelo excesso de água no solo: “Quando são feitas obras de drenagem na cidade, e especialmente em áreas de risco, é possível evitar que um grande volume de água se infiltre naquele terreno, que é naturalmente instável. Assim, atenua-se a possibilidade de ocorrência de movimentos de massa”.

Estudos complementares

Em um esforço para prevenir novos desastres, o SGB e a prefeitura de Gramado já iniciaram os diálogos sobre a possibilidade do desenvolvimento de estudos complementares a partir de 2024, conforme sugerido no relatório. O objetivo é realizar investigações mais detalhadas para identificar áreas de risco, subsidiar o planejamento territorial e evitar a expansão urbana para áreas de risco.

Uma das ações que podem ser realizadas é a elaboração da Carta Geotécnica de Aptidão à Urbanização. O estudo, realizado nas áreas de expansão urbana, a partir da análise dos tipos de solo do município, gera informações sobre as características do solo, identificando as fragilidades, como explica Julio Lana: “Com as Cartas Geotécnicas, é possível identificar quais são os locais mais frágeis e passíveis de desenvolver um determinado fenômeno geológico, como o rastejo. O estudo pode indicar as regiões onde há maior possibilidade de o solo colapsar devido ao excesso de água, por exemplo”.

Outros projetos que poderão ser realizados são a atualização do mapeamento de áreas de risco – que indica os setores urbanizados, com potencial de sofrer danos – e as Cartas de Perigo Geológico – que buscam distinguir áreas com possibilidade de ocorrência de deslizamentos, fluxos de detritos e quedas de blocos de rocha, além de indicar o provável alcance máximo desses processos geológicos. Além disso, é prevista a realização do Curso de Capacitação em Percepção e Mapeamento de Áreas de Risco Geológico, voltado para o treinamento de agentes da defesa civil, oferecido pelo SGB.

Acesse aqui o relatório completo.

Fonte: Serviço Geológico do Brasil

Foto: SGB

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp