Acusados de desviar doações, agentes da Defesa Civil de Eldorado do Sul são afastados em operação do MP

Dois dos três alvos da ação do GAECO neste sábado (25) são pré-candidatos às eleições municipais e estariam beneficiando futuros eleitores com os donativos desviados

Publicado por
17:21 - 25/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

GAECO e mais cinco promotores coordenaram as ações que tiveram como alvo três investigados

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) teve como alvo três integrantes da Defesa Civil de Eldorado do Sul, suspeitos de desviar doações para atingidos pelas enchentes a fim de beneficiar futuros eleitores. 

Dos três agentes investigados – todos afastados temporariamente de suas funções – dois são pré-candidatos a cargos públicos nas eleições do município neste ano.

Foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão após denúncias. Os mandados foram cumpridos nas casas dos suspeitos, na Prefeitura e em depósitos da cidade que foi completamente inundada. 

Foram apreendidos celulares, documentos, dinheiro, entre outros.

Segundo a promotora Maristela Schneider, “à investigação se deu início a partir de denúncias de desvios de donativos para fins eleitorais. Então cumprimos, na data de hoje, mandados de busca e apreensão para verificar estes fatos, bem como o cumprimento do afastamento de três integrantes da Prefeitura, que estavam à frente de Defesa Civil Municipal, a fim de que, afastados, assumam outros integrantes nomeados pelo Prefeito, a fim de dar continuidade na distribuição de donativos na cidade”, explicou.

“Foram cumpridos mandados na Prefeitura, no Centro Administrativo, residências dos investigados, gabinetes, em depósitos de donativos do município, em veículos de propriedade dos investigados”, contou a promotora.

Os três integrantes da Defesa Civil também foram afastados temporariamente do órgão, podendo continuar as outras funções públicas que têm nas demais áreas.

Os crimes apurados são de apropriação indébita, peculato e associação criminosa durante estado de calamidade pública.

Atuaram na ação, os promotores de Justiça André Dal Molin, Maristela Schneider, Fernando Sgarbossa, Rafael Riccardi e Plínio Dutra.

Nove mandados de busca e apreensão foram cumpridos em ação que teve participação de cinco promotores e do GAECO

 

 

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp