STF torna réus cinco suspeitos no caso Marielle Franco

Devem se tornar réus por homicídio e organização criminosa o conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Brazão, o irmão dele, Chiquinho Brazão, deputado federal (Sem partido-RJ), o ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa e o major da Policia Militar Ronald Paulo de Alves Pereira

Publicado por
23:45 - 18/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
STF

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade, nesta terça-feira (18), aceitar a denúncia contra cinco suspeitos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorridos em 2018. Entre os réus estão os irmãos Chiquinho e Domingos Brazão.

Detalhes da Decisão

A Primeira Turma do STF, composta por cinco dos onze ministros da corte, foi responsável por julgar a denúncia. A decisão foi liderada pelo relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, e seguida integralmente pelos ministros Flávio Dino, Cristiano Zanin, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

Moraes destacou que o julgamento não visava decidir sobre a culpa dos acusados, mas apenas determinar se a denúncia tinha mérito suficiente para abrir uma ação penal. A partir dessa decisão, as investigações prosseguirão para apurar as responsabilidades.

Acusações

A denúncia, apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em maio deste ano, inclui acusações de homicídio, tentativa de homicídio e organização criminosa. Veja os detalhes das acusações contra cada um dos réus:

  • Chiquinho Brazão, deputado federal (sem partido): homicídio, tentativa de homicídio e organização criminosa;
  • Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro: homicídio, tentativa de homicídio e organização criminosa;
  • Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio: homicídio e tentativa de homicídio;
  • Ronald Paulo de Alves, conhecido como Major Ronald, ex-policial militar: homicídio e tentativa de homicídio;
  • Robson Calixto, ex-assessor de Domingos Brazão: organização criminosa.

Todos os acusados estão presos por ordem do ministro Alexandre de Moraes e negam participação nos crimes.

Contexto das Acusações

Segundo a PGR, o assassinato de Marielle Franco foi orquestrado pelos irmãos Brazão e planejado pelo delegado Rivaldo Barbosa. A motivação para o crime estaria ligada à atuação de Marielle contra a regularização de terrenos em áreas controladas por milícias no Rio de Janeiro. O caso foi levado ao Supremo devido ao foro privilegiado de Chiquinho Brazão, deputado federal.

Delação Premiada

Grande parte da denúncia se baseia na delação premiada de Ronnie Lessa, ex-policial militar que confessou ter executado os assassinatos. Lessa implicou os irmãos Brazão e o ex-chefe da polícia em suas declarações. Atualmente, Lessa cumpre pena na penitenciária de Tremembé, em São Paulo.

Procedimentos Futuros

Com a aceitação da denúncia, os suspeitos se tornam réus. A próxima etapa envolve a coleta de depoimentos de testemunhas e dos acusados. Ao final do processo, o STF decidirá se os réus serão condenados.

Durante a sessão, o ministro Moraes rejeitou pedidos das defesas para transferir o caso para outra instância e afirmou que todas as partes tiveram pleno acesso aos autos do processo, refutando alegações de cerceamento do direito de defesa.

 

Marielle Franco

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp