Polícia investiga desvio de 25 toneladas de doações para atingidos por enchentes em suposto abrigo em Viamão

Donativos foram enviados do Paraná para atender Associação de Mães, que supostamente abrigava pessoas atingidas. Polícia descobriu que tudo não passava de um esquema criminoso.

Publicado por
15:19 - 08/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A Polícia Civil está investigando uma associação de mães em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, por suspeita de desvio de pelo menos 25 toneladas de doações. Essas doações eram destinadas a pessoas atingidas pelos temporais que devastaram o Rio Grande do Sul em maio. Na quinta-feira (7), a presidente da associação, uma mulher de 52 anos cuja identidade não foi revelada, foi presa por estelionato e levada para uma casa prisional.

Denúncia anônima leva à prisão

Segundo o delegado Alexandre Luiz Fleck, responsável pelo caso, uma denúncia anônima alertou a polícia sobre atividades suspeitas no bairro Planalto. Ao chegar ao local, a polícia encontrou parte das doações em um caminhão e o restante numa casa que servia como sede da associação. As doações incluíam itens de cesta básica e roupas.

“Denúncia apontava que indivíduos estariam descarregando doações para fins de apropriação ilícita no bairro Planalto. Diante dos fatos, foram realizadas diligências que confirmaram os fatos. Foi apurado, no local e em averiguações posteriores, que as doações, consistentes em cestas básicas e roupas, vieram de Londrina (no Paraná) para um centro de distribuição organizado por uma Igreja em Porto Alegre”, explicou o delegado Fleck.

Falsas alegações de abrigo

A investigação revelou que a associação alegava abrigar cerca de 140 pessoas de 50 famílias, justificando assim a necessidade dos donativos. No entanto, a polícia descobriu que o local não funcionava como abrigo.

“As responsáveis pelo descarregamento relataram informações desconexas e de veracidade desmentida sobre o destino da carga, havendo indícios notáveis de que, efetivamente, estaria ocorrendo um desvio das doações”, afirmou Fleck.

Condições inadequadas

A polícia também determinou que a associação não tinha condições de gerir a distribuição dos donativos. Além da presidente presa, outra pessoa presente na casa foi levada para a delegacia. Após o interrogatório, decidiu-se que a presidente responderia por estelionato, enquanto a outra pessoa está sob suspeita, mas não foi formalmente acusada.

Apreensão e redirecionamento das doações

Os itens desviados foram apreendidos e encaminhados para um centro de distribuição em Porto Alegre, onde será planejada a distribuição correta. Um inquérito policial foi instaurado para aprofundar a investigação. A polícia visa descobrir se mais doações foram desviadas e identificar os destinatários originais desses donativos.

Continuação da Investigação

As autoridades continuam a investigação para determinar a extensão do desvio e garantir que os donativos cheguem às pessoas necessitadas. A comunidade está atenta aos desdobramentos deste caso que envolve a solidariedade destinada às vítimas dos temporais.

*Via Jornal Dimensão

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp