Conheça os riscos dos remédios para dormir sem indicação médica

Uso de medicamentos sem a devida orientação de um profissional de saúde pode desenvolver alguns riscos como a dependência e a intolerância

Publicado por
19:50 - 09/03/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Conheça os riscos dos remédios para dormir sem indicação médica

Foto: Marcelo Casal Jr./ Agência Brasil

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou no ano passado que 72% dos brasileiros sofrem de doenças vinculadas ao ato de dormir, entre elas, a insônia. Isso pode ser a explicação para a popularização do Zolpidem, fármaco indicado para o tratamento de curta duração da insônia aguda ou transitória em pacientes com dificuldade para adormecer e/ou manter o sono.

Segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), entre 2011 e 2018, a venda do remédio cresceu 560% no Brasil. Só em 2020, foram comercializadas 8,73 milhões de caixas em todo o país. No entanto, o problema da comercialização deste e de outros fármacos disponíveis no mercado está no seu uso excessivo e sem prescrição médica.

O Dr. Rizzieri Gomes, cardiologista focado na mudança do estilo de vida (MEV), é enfático ao recomendar que se evite os medicamentos para dormir e que jamais se faça uso deles sem a devida orientação de um profissional de saúde, pois o seu uso pode desenvolver alguns riscos como a dependência e a intolerância.

A dependência pode ser química ou emocional. Quando ela acontece, a pessoa passa a acreditar que não vai conseguir dormir sem a ajuda do remédio. O que começa com a necessidade devido a um evento específico, muitas vezes uma situação traumática, e pode acabar se perpetuando por muito tempo”, detalha o médico.

Ainda segundo especialista, na intolerância “o usuário sente a necessidade de aumentar gradativamente a dosagem, às vezes chega a trocar por um com ação mais intensa ou mesmo a usar mais de um e não consegue deixar de usar”.

O especialista recomenda que, caso haja suspeita de transtorno de insônia crônica, o paciente procure um médico para conseguir fazer esse diagnóstico. A 3ª edição da Classificação Internacional de Distúrbios do Sono (ICSD) define esse transtorno a partir dos seguintes sintomas:

Dificuldade em iniciar o sono;
Dificuldade em manter o sono;
Despertar antes do desejado;
Resistência em ir para a cama no horário apropriado;
Dificuldade para dormir sem a intervenção dos pais/cuidadores.

Isso tudo acompanhado de:

Fadiga;
Déficit de atenção, concentração ou memória;
Prejuízo do funcionamento social, familiar, ocupacional ou acadêmico;
Alteração do humor/irritabilidade;
Sonolência diurna;
Alterações comportamentais (como hiperatividade, impulsividade, agressividade);
Perda de motivação;
Propensão para acidentes e erros;
Preocupação ou insatisfação com o sono.

Fonte: Jovem Pan

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp