Clubes brasileiros e federações fazem manifesto após escândalo na CBF, pedem mudanças e declaram apoio a candidato

Instituições manifestaram apoio a Reinaldo Carneiro Bastos, da Federação Paulista de Futebol; expectativa é que o destino do ex-presidente Ednaldo Rodrigues seja definido por uma missão da Fifa e da Conmebol

Publicado por
13:41 - 31/12/2023

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

(Foto: Reprodução/Jovem Pan News)

Federações e 30 clubes brasileiros divulgaram na noite de sexta-feira, 29, uma carta na qual exigem “mudanças” diante das complicações que geram “estagnação e atraso”, após o escândalo eleitoral na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a ameaça de sanções por parte da Fifa. No documento assinado por Palmeiras, Fluminense, Internacional e outros clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro, as instituições manifestam apoio a Reinaldo Carneiro Bastos, atual presidente da Federação Paulista de Futebol e candidato à presidência da CBF.

Embora a corrida já tenha sido lançada, abundam as incertezas sobre um eventual novo processo. No dia 7 de dezembro, um escândalo estourou na entidade depois que um tribunal do Rio de Janeiro invalidou a eleição de Ednaldo Rodrigues, deixando a liderança nas mãos do presidente interino designado, José Perdiz, com a missão de organizar novas eleições. Rodrigues, destituído por 3 votos a 0, chegou a entrar com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) alegando que a decisão pode trazer consequências graves para o futebol brasileiro, contudo, teve o pedido negado.

De concreto, a justiça anulou um acordo entre a CBF e o Ministério Público que permitia a eleição de Ednaldo como presidente do órgão máximo do futebol brasileiro. Agora, a expectativa é que o destino de Ednaldo Rodrigues como presidente da CBF seja definido por uma missão da Fifa e da Conmebol, que chegará ao Rio de Janeiro a partir de 8 de janeiro para examinar a situação e buscar uma solução, conforme indica carta enviada dias atrás à CBF.

Fifa e a Conmebol deixaram claro que não toleram interferências estatais na gestão das suas associações-membro, razão pela qual ignoram Perdiz como autoridade legítima, e exigiram que a CBF não atue até a chegada de seus enviados, sob ameaça de desfiliação das equipes brasileiras de todas as suas competições. As federações e clubes se comprometeram a “apoiar a fluidez e a transparência” de um novo processo eleitoral, para o futebol brasileiro poder sair desta “lamentável situação”.

Em meio ao escândalo, a CBF sofreu com outro baque: o técnico italiano Carlo Ancelotti, confirmado como próximo treinador da seleção brasileira por Ednaldo, anunciou na sexta-feira a renovação de seu contrato com o Real Madrid até 2026. O Real é “uma família para mim. O ambiente que este clube gera no seu entorno é muito familiar”, disse o italiano de 64 anos em entrevista ao canal oficial do clube espanhol transmitida neste sábado.

Enquanto isso, a seleção brasileira passa por um momento difícil comandada por Fernando Diniz, também técnico do Fluminense, e com compromissos em pauta como as Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2026 na América do Norte e a Copa América de 2024 entre junho e julho nos Estados Unidos.

Fonte: Jovem Pan

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp