Viva com Saúde – 20/05/2024 – Mortes por infarto em mulheres jovens crescem no Brasil

No Viva com Saúde de hoje vamos falar sobre mortes por infarto em mulheres jovens no Brasil.

Publicado por
05:30 - 20/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Freepik

O Brasil teve aumento de cerca de 62% nas mortes de mulheres de 15 a 49 anos por infarto de 1990 para 2019. Na faixa etária de 50 a 69 anos, o número quase triplicou, com alta de aproximadamente 176%. Os dados são da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

A prevenção inclui a prática regular de atividades físicas, alimentação adequada, não consumo de álcool e qualquer tipo de tabagismo, de acordo com o Ministério da Saúde.

Tradicionalmente menos afetado por esse tipo de problema, o público feminino teve agora aumento similar ao registrado entre homens. Entre os motivos estão as mudanças no estilo de vida, que levaram a mais sedentarismo, estresse, entre outros fatores de risco. Segundo especialistas, o cenário das mulheres em relação a infarto merece atenção especial.

Eles alertam que a falta de conhecimento delas sobre os sintomas as leva a procurar tardiamente um médico e, consequentemente, a terem um pior desfecho. Isso porque elas podem ter sintomas diferentes daqueles apresentados homens. Eles geralmente sentem dor intensa no peito, enquanto elas podem ter apenas cansaço extremo ou sinais semelhantes a uma crise de ansiedade.

Historicamente, foi atrelado aos homens maior risco de infarto por seus hábitos de vida, geralmente menos saudáveis que os das mulheres. Diante disso, muitos médicos da família e clínicos gerais, que atendem em pronto-socorro, estão mais atentos aos sinais do problema cardiovascular nos homens.

E o problema vai além da detecção. Menos de 50% das mulheres que sofrem infarto são submetidas a tratamento medicamentoso adequado. Um estudo publicado neste ano pela Academia Americana de Cardiologia observa ainda que elas são mais propensas a precisar de uma nova internação no ano seguinte ao evento – e sofrem mais complicações e têm mais risco de vida nesse período.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp