Viva com Saúde – 17/06/2024 – Bebidas açucaradas elevam risco de mortalidade por câncer de fígado, diz estudo

No Viva com Saúde de hoje vamos falar sobre bebidas açucaradas e os riscos para a saúde do fígado.

Publicado por
05:30 - 17/06/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Freepik

O consumo de bebidas adoçadas, como refrigerantes e sucos industrializados com açúcar, leva ao aumento do risco de desenvolver câncer de fígado e de mortalidade por doença crônica hepática. O risco de ter câncer de fígado é 85% maior em pessoas que consumiram uma ou mais latas de bebidas açucaradas por dia em comparação àquelas que consumiam raramente (três latas ou menos por mês).

Já o risco de mortalidade por doença do fígado era 68% maior nos indivíduos que consumiram bebidas adoçadas uma ou mais vezes por dia. Mas o risco não está apenas no açúcar branco adicionado: pessoas que consumiram por dia uma ou mais latas de refrigerante diet ou de sucos adoçados artificialmente têm risco 17% maior de desenvolver câncer de fígado em comparação a quem consumiu até três latas por mês.

Os resultados são de um estudo que avaliou a incidência de câncer de fígado em relação ao consumo de bebidas adoçadas em mulheres pós-menopausa de 1993 a 1998 nos Estados Unidos. O tempo de acompanhamento foi de 20,9 anos.

Durante o período de acompanhamento do estudo, a taxa de incidência de câncer de fígado nas pessoas que consumiam três porções ou menos de bebidas adoçadas por mês foi de 10,3 por 100 mil pessoas por ano, contra 18 casos por 100 mil nas que consumiram uma ou mais latas por dia.

O câncer de fígado é um dos mais letais, com menos de 40% sobrevivendo por mais de cinco anos. A incidência de câncer de fígado nos EUA cresceu entre 1985 e 2015 de 3 casos a cada 100 mil habitantes para 9,4 a cada 100 mil habitantes. No Brasil, ele é o 15° tipo de câncer mais frequente, com uma incidência que varia por região e por sexo. As estimativas mais recentes do INCA (Instituto Nacional do Câncer) apontam uma incidência de 6,06 casos a cada 100 mil pessoas, no caso de homens, e 3,89 a cada 100 mil no caso de mulheres.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp