Viva com Saúde – 17/05/2024 – O que é o Lúpus?

No Viva com Saúde de hoje vamos falar sobre o Lúpus.

Publicado por
05:30 - 17/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Imagem: Freepik

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune. Autoimune significa que o sistema imunológico não consegue diferenciar os agentes nocivos (vírus, bactérias, germes) dos tecidos saudáveis do corpo, criando autoanticorpos que atacam e destroem o tecido saudável. Esses autoanticorpos causam inflamação e dor e podem danificar praticamente qualquer parte do corpo, incluindo pele, coração, pulmões, rins e cérebro.

São reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo, que se manifesta apenas com manchas na pele, e o sistêmico, no qual um ou mais órgãos internos são acometidos.

As lesões mais características são lesões avermelhadas em maçãs do rosto e dorso do nariz; outros sintomas são dor e inchaço, principalmente nas articulações das mãos; inflamação no rim; inflamações de pequenos vasos (vasculites), que podem causar lesões avermelhadas e dolorosas em palma de mãos, planta de pés, no céu da boca ou em membros; febre sem ter infecção; emagrecimento e fraqueza são comuns quando a doença está ativa; entre outros.

O diagnóstico deve levar em consideração o conjunto de alterações clínicas e laboratoriais, e não a presença de apenas um exame ou uma manifestação clínica isoladamente.

O tratamento do Lúpus depende do tipo de manifestação apresentada por cada paciente devendo, portanto, ser individualizado. Seu objetivo é permitir o controle da atividade da doença, a minimização dos efeitos colaterais dos medicamentos e uma boa qualidade de vida aos seus portadores. O reumatologista é o especialista mais indicado para fazer o tratamento e o acompanhamento de pacientes com Lúpus e, quando necessário, outros especialistas devem fazer o seguimento em conjunto.

Evitar fatores que podem levar ao desencadeamento da atividade do lúpus, como o excesso de sol e outras formas de radiação ultravioleta; tratar as infecções; evitar o uso de estrógenos e de outras drogas; evitar a gravidez em fase ativa da doença e evitar o estresse, são algumas condutas que os pacientes devem observar, na medida do possível.

 

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp