Longevidade dos pets

Quando optamos por ter um bichinho em casa, incluímos ele como parte da família e, como tal, queremos que ele…

Colunista
Blog dedicado ao mundo dos pets com artigos produzidos pela classe veterinária e especialistas. Os textos têm como objetivo ajudar tutores com o dia a dia dos seus melhores amigos.
18:06 - 21/03/2022

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Quando optamos por ter um bichinho em casa, incluímos ele como parte da família e, como tal, queremos que ele viva por mais tempo e com qualidade. Entretanto, muitos cuidados para que isso aconteça não recebem a devida importância, ou ao menos não no momento necessário, que é desde filhote. Não adianta nos preocuparmos em melhorar a qualidade de vida do nosso pet quando ele já está velhinho, pois muitas lesões e doenças crônicas já foram estabelecidas de acordo com os hábitos ao longo da vida. Por isso esses cuidados devem começar com o animal ainda filhote. E que cuidados são esses?

1. Cuidado com os dentes: Muitas vezes não damos atenção a higiene bucal dos nossos pets, quando filhotes, não notamos mau hálito nem tártaro, mas ao passar dos anos, sem a correta limpeza, os dentes vão acumulando bactérias, o que gera inflamação e infecção, que podem se difundir para outros órgãos através da corrente sanguínea e causar problemas sérios. Por isso, a higiene bucal é recomendada semanalmente, com auxílio de escavação, petiscos dentários e ossos crus previamente congelados ou anualmente através de profilaxia dentária com o médico veterinário responsável.

2. Cuidado com a alimentação: Assim como para nós humanos, uma alimentação desbalanceada, exagerada e de baixo valor nutricional, afeta o organismo de tal forma a atingir obesidade, problemas de imunidade, problemas de pele, problemas endócrinos e problemas oncológicos. Por isso, desde de filhote é recomendado seguir a orientação veterinária e oferecer a alimentação adequada e de qualidade de acordo com o porte, peso e necessidade do seu pet.

3. Protocolo vacinal atualizado: O que muitos tutores pensam é que a vacinação de cães e gatos é necessária somente quando filhotes, e isso está incorreto! A vacinação segue um calendário anual e, de acordo com a rotina e estilo de vida do seu pet, com uma frequência individualizada, determinada pelo veterinário.

4. Prática de exercícios: A caminhada com seu cão é um exercício físico e mental que contribui para desenvolver várias habilidades psíquicas e motoras necessárias para um bom relacionamento entre ele, você e a sociedade. Quanto antes essa rotina de passeios for iniciada, melhor para a socialização.

5. Manutenção do peso: Obesidade é uma doença crônica que pode diminuir a expectativa de vida do seu pet em até 2 anos, pois ela acaba facilitando o aparecimento de outras doenças debilitantes, como artroses, dermatites, hipertensão, problemas renais, hepáticos e cardiorespiratórios, câncer, diabetes, entre outros. Por isso, ofereça a quantidade correta de alimento diário ao seu pet, brinque e caminhe com ele.

6. Consultas periódicas: Somente com acompanhamento anual conseguimos diagnosticar problemas em fase inicial, mesmo antes de manifestações clínicas, o que é muito importante para uma melhor resposta ao tratamento.

Jéssica Mello de Mello
– Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2014
– Especializada em Fisioterapia de pequenos animais pela Fisio Care Pet de São Paulo em 2017
– Trainee na área da fisioterapia animal nos anos de 2017 e 2018
– Atuação autônoma e exclusiva com fisioterapia de 2019 até hoje

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp