Fadiga muscular, o cansaço excessivo

Texto escrito pela educadora física Abigail SomacalLeia mais Feirão de empregos oferece mais de 500 vagas em Caxias do Sul…

Publicado por
09:14 - 27/04/2021

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Texto escrito pela educadora física Abigail Somacal

(Licenciatura em Educação Física / Bacharel em Educação Física / Pós graduanda em Fisiologia e Prescrição do Exercício Clínico / CREF 027828-G/RS)

Muita gente sofre de fadiga muscular e nem sabe. De maneira geral, a fadiga muscular é definida como um cansaço excessivo que impossibilita um bom desempenho durante as atividades físicas e até mesmo as atividades diárias. A causa varia entre alguns fatores, sendo o mais comum, o excesso de exercícios físicos, mas, muitas vezes, pode ser originada por excesso de esforço diário, por estresse de trabalho intenso ou até mesmo pelo uso de alguns medicamentos. Além destes, há alguns outros motivos relacionados à saúde que causam a fadiga, como problemas hormonais, desnutrição, insuficiência cardíaca e bronquite.

Quem nunca passou por períodos de fadigas musculares, em algum momento da vida irá passar, seja por qualquer dos motivos causadores citados. Então sejamos diretor no assunto, né? Conversaremos sobre como evitar a fadiga muscular:

Uma ótima dica é colocar compressas quentes e tomar banho de água quente, além de fazer massagens relaxantes. Certos cuidados também devem ser adotados, como fazer aquecimento antes das sessões de exercícios físicos e respeitar o intervalo entre os treinos de, no mínimo um dia, para que a musculatura tenha tempo de se recuperar. E claro, uma alimentação adequada antes e após os treinos, o que influencia diretamente na qualidade dos resultados e ajuda na recuperação muscular.

Durante os treinos, a musculatura sofre um certo estresse, basicamente responsável pelo ganho muscular e perda de gordura, isso causa quebras das fibras musculares e, uma vez que estas são destruídas, há maior necessidade de aminoácidos. Essa reconstrução não ocorre durante o treino, e sim, na cama! Indiferente do período de sono que que deixa você renovado (o ideal para adultos é de seis a nove horas), é necessário que seja uma noite de sono de qualidade, pois o corpo precisa de repouso para recompor suas funções orgânicas e neurológicas. Neste momento o corpo recupera a energia gasta e regenera as fibras desgastadas, além de repor células e reconstruir tecidos. É durante as fases do sono que hormônios como o GH, a leptina e a testosterona são produzidos, com isso, é crucial que as pessoas que treinam durmam bem!

Lembrem-se que fadiga e cansaço físico causados por exercícios fazem parte de uma adaptação e são passageiros. Tenha em vista seu objetivo, paciência e constância.

Texto escrito pela educadora física Abigail Somacal

(Licenciatura em Educação Física / Bacharel em Educação Física / Pós graduanda em Fisiologia e Prescrição do Exercício Clínico / CREF 027828-G/RS)

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp