As multifaces da maconha

A polêmica em torno da criminalização do uso da maconha é um tema complexo que não envolve apenas questões legais….

Colunista
https://maurofalcao.com.br/
11:23 - 18/03/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

A polêmica em torno da criminalização do uso da maconha é um tema complexo que não envolve apenas questões legais. Em muitos países, seu uso é proibido, enquanto em outros, foi legalizado para emprego medicinal e, em alguns casos, recreativo. Esta divergência de opiniões levanta debates intensos sobre liberdade individual, saúde pública e o papel das substâncias psicoativas na sociedade.

Do ponto de vista jurídico, a criminalização está associada principalmente às políticas de controle que buscam reduzir o uso e o tráfico. No entanto, essa abordagem tem sido questionada na reforma das políticas de drogas, pois poderia resultar em problemas como o encarceramento em massa, a estigmatização dos usuários e a falta de acesso a tratamentos adequados para dependência.

Por outro lado, o uso medicinal do canabidiol tem demonstrado resultados promissores no tratamento de várias doenças. Os compostos ativos desta planta, possuem propriedades que podem oferecer alívio a pacientes que não encontram sucesso em tratamentos convencionais. Para um maior aprofundamento, a discussão deveria se estender também ao campo transcendental.

Em muitas culturas religiosas, esta planta é considerada sagrada por sua capacidade de expandir a consciência e proporcionar experiências espirituais de introspecção. Porém, a utilização sem a orientação adequada pode alterar as sinapses entre o inconsciente e o consciente, resultando em impactos na saúde mental.

Estamos testemunhando um cenário social em que a substância está sendo cada vez mais usada em busca de prazer, levando muitos à dependência. Essa conduta resulta em alterações emocionais, que podem ser percebidas por impulsos comportamentais instáveis. Em outras palavras, somos seres vibracionais e quando a frequência psíquica é alterada, ficamos suscetíveis à influência de uma espiritualidade limítrofe, afetando nosso estado consciente, classificada como uma forma obsessiva ou de dupla personalidade.

Em resumo, a discussão sobre a criminalização do uso da maconha vai além das questões legais, abrangendo aspectos médicos, psicológicos e espirituais. A compreensão plena desse tema requer uma análise holística e seu uso deverá ser legalizado apenas para finalidades medicinais e nas questões psicossomáticas, levando em conta tanto os riscos potenciais quanto seus benefícios.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp