Aposta na educação

Não apenas um projeto de nação passa pela educação, mas também um projeto global de sustentabilidade e preservação ambiental

Publicado por
08:24 - 02/12/2022

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Período de matrículas da Rede Estadual para ano letivo de 2024 começa nesta segunda (13)

Período de matrículas da Rede Estadual para ano letivo de 2024 começa nesta segunda (13)

Não é de hoje que a esperança de um futuro melhor passa pela confiança depositada na qualidade da educação. Mesmo assim, frequentemente, a escola é responsabilizada pelo processo de formação falho. Como equalizar questões tão fundamentais? Lembremos: para ser exitoso, todo processo educativo, seja escolar ou não, carece de acompanhamento contínuo. Na escola, a gestão educacional só será eficaz se o planejamento (pensado para atender as demandas dos estudantes) e a execução (realizada pelos professores junto à comunidade) estiverem alinhados, claros e coesos. Neste contexto, as políticas educacionais, se bem construídas, auxiliarão para que as arestas naturais do processo de ensino-aprendizagem sejam aparadas e os ruídos sejam evitados, minimizando a chance de insucesso.

A escola contemporânea é fruto de conquistas, avanços e retrocessos. Logo, há de se ter responsabilidade, atenção e cuidado na tomada de decisão, visto que toda implementação malsucedida pode impactar negativamente nas futuras ações educacionais. Evidentemente, o sucesso auxiliará para que novas iniciativas tenham a compreensão dos estudantes, o comprometimento dos professores e o aval da comunidade. Do contrário, o insucesso, se constante, contribuirá para o aumento da desconfiança, uma vez que as promessas não cumpridas trarão incertezas àqueles que, direta ou indiretamente, constroem e participam do processo educativo.

O entendimento de que não apenas a educação formal dos docentes (graduação, pós-graduação, etc.), mas também a formação cidadã/humana é vital para que lecionem com qualidade, também passa pela continuidade das ações educativas nestas esferas, e não apenas na esfera teórica. A prática, a experiência e a sabedoria adquirida no ambiente escolar certamente darão o tom que a educação do futuro pretende seguir nas próximas décadas. É necessário defender que não mais somente um projeto de nação passa pela educação, mas também um projeto global de sustentabilidade e preservação ambiental daquilo que nos é comum: o mesmo planeta.

Ademais, parece claro que a gestão educacional contemporânea exige força política e inteligência governamental a fim de que haja o entendimento amplo e coletivo do grau de importância que a educação possui no contexto mundial. Ou seja, devemos educar para a vida, não apenas para o desenvolvimento econômico e/ou a manutenção do mercado de trabalho manufaturado. É uma questão urgente alinhar os processos educacionais às tendências cooperativas ecoambientais que ditarão as parcerias público-privadas e as iniciativas internacionais na segunda metade do século XXI.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp